Normani fala sobre comparações com Beyoncé e Rihanna: “Assustador”

Cantora revela que se sente um pouco pressionada com as comparações

Publicado em 4/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ao longo de sua carreira, Normani já foi comparada com grandes nomes da indústria musical, como Beyoncé ou Rihanna. Porém, em entrevista a Ebro Darden, da Apple Music, ela disse que ao mesmo tempo que isso é um elogio, também é ruim.

Acho que sempre senti como se nunca tivesse espaço para cometer erros”, disse ela. “Tenho pessoas me comparando a artistas que estão por aí há mais de 15 anos, o que é lindo e estou muito honrada com isso, mas, ao mesmo tempo, é assustador”, reflete Normani.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Normani, então, tem que ter um cuidado extra para não cobrar a si própria mais do que é capaz: “Isso é uma pressão extra sobre mim que eu senti que não poderia cometer nenhum erro que qualquer novo artista teria permissão para cometer. É por isso que acabo sendo um perfeccionista e de certa forma, isso me impediu de aproveitar o processo de gravação do meu primeiro álbum. Mas eu tive que me controlar rapidamente e me lembrar que sou Normani antes de ser qualquer coisa“, completa.

A cantora também falou sobre ‘Wild Side’, parceria lançada recentemente com Cardi B: “Foi muito importante para começar com este álbum, especificamente porque a representatividade é a chave, e eu vindo de um grupo multicultural, um grupo pop muito mainstream, eu queria que meus fãs vissem essa outra camada de mim”, ela disse. “Não apenas artisticamente, mas assim, essa é quem eu sou como pessoa. Eu sou uma mulher negra que pode fazer essa coisa do pop, mas também posso estar gravando com Cardi, e poderia fazer rap com 6lack”, completou.

Conheça o empresário com menos de 30 anos de Anitta e Normani

Esta semana, “Wild Side” de Normani e Cardi B atingiu o Top 50 dos EUA do Spotify. Anitta, por sua vez, está conquistando a cada dia que passa mais o mercado internacional. Porém, vamos falar de quem está por trás disso. Por Alexandra Sternlicht, da Forbes.

Brandon Silverstein passou suas noites de sábado entrando sorrateiramente em boates de Nova York. O adolescente de Tenafly, New Jersey, usou sua identidade falsa para passar por baixo da corda de veludo e ouvir DJs. Seu objetivo: conhecer o talento, obter seus dados de contato e contratá-lo para tocar em suas próprias festas em clubes da cidade e restaurantes como o Tenjune. Eles atrairiam cerca de 800 alunos do ensino médio dispostos a pagar seus US $ 30 de cobertura e, com uma fatia de 20% do refrigerante, ele sairia com cerca de US $ 8.000 por noite.

(Foto: Reprodução)

“Acho que minha mãe preferia que eu estudasse em casa, mas eu sabia que havia mais coisas no que estava fazendo”, diz Silverstein. “Meu instinto dizia: não sei para onde isso vai dar, mas vai me levar a algum lugar.”

Sim, sim. 10 anos depois, ele gerencia dois dos maiores atos da música: Normani e Anitta. E a partir desta semana ele adicionou o artista de platina Lauv, da Recording Industry Association of America, à sua lista. Silverstein levou Normani ao top 10 de sucessos como “Dancing with a Stranger” com Sam Smith, “Motivation” e “Wild Side” com Cardi B da semana passada, que estreou na quarta posição na parada Hot R & B / Hip-Hop da Billboard.

Ele chegou a esse ponto com a ajuda de amigos importantes. Seus sucessos de escola chamaram a atenção de Noah Tepperberg, cofundador dos pilares da vida noturna Lavo, Tao e Marquee. Tepperberg trouxe Silverstein como estagiário aos 17 anos e o acusou de contratar talentos como Tim Bergling (que mais tarde seria conhecido por seu nome artístico, Avicii) e Axwell / Ingrosso. Embora Silverstein nunca tenha sido muito estudioso, ele usou o estágio para financiar sua passagem pela Universidade de Indiana, em Bloomington. 

Bloomington, Indiana, não é um distrito Meatpacking da cidade de Nova York. O maior local da cidade tem capacidade para 1.200 pessoas. Mas, como calouro, Silverstein pretendia alavancar suas conexões para lançar o maior festival de música de Bloomington. Ele alugou uma fazenda de 10 acres por US $ 10.000 – encomendou porta-a-penico, bebida, cercas, iluminação, ambulâncias, comida e segurança – e vendeu ingressos de US $ 35, ficando com 100% das vendas. Depois de expandir seu Bounce Music Festival para o Arizona, México e Nova York, ele sentiu como se tivesse perdido o contato com o que o atraiu para a indústria do entretenimento: o talento e a música. Ele largou a faculdade no último ano para se mudar para Nova York e buscar gerenciamento musical.

“Como promotor, você não se envolve com música, talento ou coisas criativas”, diz ele. “Eu queria estar bem mais perto da música.”

O advogado de Rihanna, Ed Shapiro, apresentou-o a seu gerente e CEO da Roc Nation, Jay Brown, que gostou de Silverstein e o inspirou a usar seus ganhos do Bounce para fundar em conjunto uma empresa de gerenciamento de música em 2017: S10 (batizado em homenagem ao aniversário de Silverstein em 10 de setembro ) Foi também por meio de Shapiro que Silverstein conheceu a então dançarina de 19 anos e rainha do concurso do Texas, Normani Kordei Hamilton. 

Na época, Normani era a líder do grupo feminino formado pelo X Factor, Fifth Harmony, cujos sucessos “Work From Home” e “Worth It” o impulsionaram para as paradas da Billboard. Quando Silverstein a assistiu dançar e cantar, ele reconheceu seu poder de estrela e a contratou no final de 2017. “Eu vi algo nela que me fez querer dedicar minha vida a isso”, diz Silverstein.

“Como meu gerente, ele luta por mim diariamente, mas nosso relacionamento é muito mais profundo do que apenas negócios”, diz Normani. “Ele é meu irmão. Nós somos família.”

Hoje, Silverstein S10 faz parte da Roc Nation e tem uma equipe de 10. Silverstein diz: “Nós realmente desligamos o motor e pegamos o que era tão diferente musicalmente e criativamente de Fifth Harmony e fizemos Normani, ela foi capaz de fazer o que ela queria fazer.”

Com o sucesso de Normani, Silverstein aumentou seu time para três e trouxe novos artistas como a estrela pop brasileira Anitta. Sob a tutela de Silverstein, ela ganhou platina RIAA nove vezes no Brasil.

A receita de Silverstein, no entanto, é dividida entre publicação e gerenciamento. Em 2020, ele e o vocalista do OneRepublic, Ryan Tedder – por trás dos sucessos de Adele, Beyoncé, Ed Sheeran e outros – fundaram uma editora que lista “Peaches” e “Somebody” de Justin Bieber entre seus sucessos. Silverstein diz que, embora a gestão seja seu objetivo imediato, a publicação é seu jogo de receita de longo prazo. “Eu só quero construir a melhor empresa de entretenimento 360º possível.”

VEJA MAIS: Luísa Sonza e Juliette trocam elogios na web: “Orgulho de você”

Empresário de Anitta e Normani recebe críticas dos fãs das cantoras

Normani retornou ao mundo da música com Wild Side, parceria com a rapper Cardi B. Quase um mês após o lançamento, no entanto, os fãs estão revoltados com a falta de divulgação do single. Nas redes sociais, eles se uniram para cobrar o empresário da artista, Brandon Silverstein, e as gravadoras RCA e Keep Cool.

O fã-clube Normani Brasil, no Twitter, foi um dos que expressou insatisfação com o tratamento que a música vem recebendo. O perfil publicou uma mensagem cobrando os responsáveis pela carreira da artista: “Notamos falhas com a música no Tidal, na Apple Music e no TikTok, onde o áudio com mais de 30 mil vídeos foi deletado nesta manhã, sem aviso prévio”.

O fã-clube ainda adiciona: “Precisamos de investimentos sólidos na música, performances ao vivo, entrevistas na TV e tudo mais, porque ela tem o necessário para ser uma estrela e ela já se provou uma rainha antes”.

E chega a citar um possível boicote: “Parece que estamos enfrentando um grande boicote e não vamos calar a boca diante de seu amadorismo e falta de profissionalismo enquanto gravadora”.

Confira algumas reclamações de fãs no Twitter:

Além de Normani, o empresário Brandon Silverstein está por trás da carreira de Anitta nos Estados Unidos. O magnata também recebeu críticas dos fãs da brasileira por motivos parecidos. Certa vez, ele publicou uma indireta no Stories do Instagram. A tradução da frase seria algo como: “a pior coisa que um jogador pode fazer é acreditar mais na torcida do que no técnico”.

Muitos fãs de Anitta “vestiram a carapuça” e comentaram nas redes sociais que tal mensagem pode ser uma reação às pressões que o fandom da carioca tem feito na web pedindo para que o single Girl From Rio toque nas rádios dos EUA.

Recentemente, o single chegou a tocar em 150 rádios dos Estados Unidos após inúmeros pedidos de fãs brasileiros e estrangeiros para que o single tocasse nas emissoras gringas. Então por qual razão a música ainda não aconteceu nos Estados Unidos? Fãs e jornalistas apontam que a natural inclusão da música em playlists do Spotify, por exemplo, seria o caminho mais óbvio para que a música crescesse nos EUA. O que ainda não acabou acontecendo.

Vale ressaltar que a faixa ganhou um polêmico remix com o rapper DaBaby que gerou burburinho aqui no Brasil por causa de sua letra. Conversamos com uma grande fã de Anitta que nos apontou alguns detalhes sobre os problemas da carreira da artista lá fora. Clique aqui e saiba mais!

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio