A cantora Kiara (FOTO: Reprodução)

Kiara é a nova aposta para o mundo do funk. Na última sexta-feira (11) ela lançou o clipe de “Esfrego“, com muita sensualidade e poder. A musa também concedeu uma entrevista exclusiva ao Observatório de Música e contou algumas curiosidades sobre sua carreira.

1 – Como surgiu a ideia da música e do clipe?

KIARA: “A ideia da música foi inspirada nas coisas que já passei. No começo eu canto “Cê pensou que eu não ia nem vir, demorei mas cheguei com pressão” . Foi pra comunicar que quem pensou que eu não chegaria a lançar meus trabalhos se enganou kkkkk. E a letra fala muito de empoderamento e a liberdade da mulher de fazer e ser o que ela quiser sem ser rotulada. “To com a tropa formada, já to preparada pra raspar minha placa no chão. Vou jogar minha rabeta a vontade” essa parte da letra, narra muito bem essa liberdade. Somos mais do que rótulos, e “balançar a raba” não diminui tudo que somos, e foi isso que eu quis passar na letra. O clipe ao meu ver tem muita congruência com a letra, eu trouxe mulheres poderosas coreografando de acordo com a letra a coreografia no clipe tem mais ênfase no refrão. A coreografia foi criada por mim no mesmo momento que eu estava escrevendo a letra. E ai tive o auxílio do Coreógrafo Douglas Oliveira pra amadurecer minha ideia. Tudo foi criado na minha mente. E ai tive apoio pra colocar minha ideia pra fora. Assim que eu ouvi o beat do JnrBeats todas essas ideias vieram na minha cabeça!”

2 – Você pretende continuar sempre no funk ou já tem planos para lançamentos em outros ritmos?

Eu sinceramente não quero e não me rotular a gênero musical. Eu quero fazer música que me expressar na minha arte é só. Sem rótulos de gênero musical. Quero ser livre pra compor e cantar o que eu bem entender . Inclusive eu já tenho outros ritmos na pista tocando antes desse clipe “Esfrego” eu lancei a “Rebolo lento” que é uma outra proposta, lancei um Acústico junto com a Altamira que se chama “Geminiana” em parceira com o Pelé Milflows e Muzike que também é uma proposta diferente. E a música “Esfrego” exploramos o funk, o trap, o funk 150.”

VEJA TAMBÉM: Carlinhos Maia revela que Luísa Sonza não tratava Whindersson bem

3 – Como tem sido esse momento de pandemia para você? Te afetou em algo ou você conseguiu aproveitar para criar coisas novas e novidades para seus fãs?

No início da pandemia eu fiquei bem aflita até porque eu tinha acabado de fechar contrato com a minha atual produtora “Digital Music” e nós tínhamos varias ideias de lançamentos que tiveram que estacionar por um curto momento. Ai depois eu tive que pensar em uma saída pra poder colocar meu trabalho na rua. E foi ai que eu agi coloquei a mão na massa e fui fazer o clipe tomando todos os cuidados possíveis. Pra trazer novidades. Eu tinha que fazer alguma coisa pras minhas ideias saírem do papel!”

4 – Fale um pouco sobre você, sobre o que as pessoas podem esperar para os próximos meses, parcerias

“Eu vim de uma origem bem simples, e tenho feito minhas coisas de forma independente e sendo autodidata aprendendo tudo por mim mesma. Hoje tenho o agenciamento da DMusic que me propõe o suporte pra colocar meu trabalho na rua. Eu sou o tipo de artista que não tem tempo pra estrelismo minha personalidade é bem forte referente a isso deve ser por causa do meu signo Áries em Capricórnio kkkkkk. O que eu quero dizer com isso é que eu gosto de colocar a mão em tudo, desde a composição da letra até a criação do vídeo clipe. Eu costumo dizer que a arte do artista tem que ter a cara dele se não fica algo muito sintético. Eu já tentei ser diferente mas não funciona, só funciona se eu der meus pitacos. E infelizmente nem todo mundo compreende isso, muitas vezes sou mal interpretada e rotulada de “mandona” , principalmente no ciclo masculino, muitas vezes eu tenho que triplicar a minha voltagem pra me sobressair e ter a minha voz ouvida. Ou seja além de eu ter que prestar atenção em todo trabalho que tem que ser feito eu sinto que sou testada o tempo todo. E com isso muitas vezes tenho que alterar a minha postura pra que entendam que eu posso tanto quanto qualquer um. Mas essa é minha personalidade natural, eu sempre fui assim. Mas eu aguento as consequências por ser quem eu sou kkkkk. Mas eu gostaria muito que as pessoas conhecem meu outro lado mas infelizmente nem todos me dão essa oportunidade. Mas paciência segue o baile. Estamos com a ideia de fazer um lançamento por mês, até vir a música que vai ser o divisor de águas pra minha carreira. Pode ser que esse hit já esteja entre nós e ainda não sabemos! Estamos com muitas ideias de parcerias que eu não posso contar ainda. Mas tem muita novidade pela frente. Não é fácil lançar trabalhos em plena pandemia, eu sinto que esta tudo muito diferente! Mas a gente vai persistir!”