Freddie Mercury
O cantor zanzibense Farrokh Bulsara mais conhecido como Freddie Mercury (FOTO: Reprodução)

Uma figura que causou muita polêmica após o filme biográfico do Queen, Bohemian Rhapsody, foi o ex-gerente Paul Prenter. Brian May disse que o filme levou 10 anos para se certificar de que estava “certo”, porém, os fãs ainda tiveram muitas perguntas após seu lançamento. Apareceram muitos rostos familiares no Bohemian Rhapsody, incluindo os principais membros da banda, Freddie Mercury, Brian May, Roger Taylor e John Deacon.

O foco principal, porém, foi o Freedie Mercury. O ex-empresário de Freddie, Paul Prenter, também apareceu com destaque e foi retratado como o vilão da trama. Em Bohemian Rhapsody, Freddie foi perguntado por seus colegas de banda porque ele demitiu Prenter. “Vilão”, ele brinca.

Prenter foi empresário de Freddie de 1977 a 1986 e, como o filme sugere, atraiu críticas pela influência que exercia sobre a estrela. Sua influência não estava apenas na carreira de Mercury, eles também eram amantes.

A linha do tempo foi um pouco adaptada no filme. Uma mudança principal foi que Prenter foi demitido depois do Live Aid, e não antes, como o filme sugere. O rompimento do relacionamento deles foi um pouco mais complicado do que uma discussão sobre o quão ruim Prenter estava transmitindo uma mensagem equivocada.

(Foto: Reprodução/Internet)

As coisas realmente azedaram em 1982 depois que a banda lançou o álbum “Hot Space”. May e Taylor estavam infelizes e acabaram culpando Paul pela influência que ele teve sobre o som.

(Foto: Reprodução/Internet)

O álbum não foi bem recebido. Prenter também era visto como desprezador da influência das rádios na época, chegando ao ponto de recusar entrevistas.

Entrevista de Paul Prenter

Olhe para qualquer fórum de fãs do Queen e logo encontrará o ódio contra Prenter. Ele está cheio de termos como ‘Judas’ e ‘Devil’s Spawn’.

A maior parte do ódio decorre após Prenter vender sua história para um jornal nacional depois que eles terminaram. O relacionamento deles pareceu ter terminado depois que Mercury “abandonou a cena”, afastando-se de bebidas e drogas.

Freddie Mercury com Paul Prenter (Foto: Reprodução/Internet)

Prenter não escondeu nada ao compartilhar detalhes sobre a vida pessoal de Mercury, seus amantes e vícios. Ele alegou que Mercury havia dormido com centenas de homens e que dois de seus ex-amantes haviam morrido de Aids. Freddie chegou ficar assustado ao imaginar que poderia pegar a doença.

“Era mais provável que eu o visse andar sobre a água do que ir com uma mulher”, disse Prenter. “Quando seus amigos começaram a morrer, Freddie sabia que sua vida selvagem tinha que parar”.

Prenter também falou sobre o início da homossexualidade de Mercury. “Freddie me disse que seu primeiro relacionamento homossexual aconteceu quando ele estava no colégio interno na Índia quando tinha 14 anos”, disse ele. “Enquanto estávamos em turnê, havia um homem diferente todas as noites, ele provavelmente iria dormir às 6 ou 7 da manhã – mas raramente sozinho”.

“Ele tem medo de dormir sozinho ou até ficar sozinho por longos períodos”. Mercury agiu rapidamente e demitiu Prenter do sua equipe de contatos profissionais.

Jim Hutton na casa de Freddie Mercury em 1992 – ele se mudou para permitir que Mary Austin se mudasse. (Foto: Reprodução/Internet)

Como Paul Prenter traiu Freddie Mercury

O namorado de Mercury, Jim Hutton, disse que o cantor sentiu que era a traição final. Em seu livro Mercury and Me, ele disse: “Em 4 de maio, Freddie ficou arrasado com outra história sobre ele. E eu também. Seu velho amigo, Paul Prenter, o havia detonado”.

“Aids matou os dois amantes de Freddie, declarou, e a história foi contada em três páginas. Tony Bastin, de Brighton, e John Murphy, um comissário de bordo, morreram da doença em 1986. E Prenter alegou que Freddie o chamou tarde uma noite e espalhou seus medos sobre a Aids”.

O namorado do músico Jim Hutton, mais tarde, descobriu que Prenter havia sido pago por tal história.

“Mais tarde descobrimos que Prenter havia recebido cerca de £ 32.000 pelo jornal por sua história”, escreveu Hutton. “Freddie nunca mais falou com ele. Nos dias seguintes, a cada episódio da história de Prenter, Freddie ficava mais irritado. Prenter vendeu ao jornal várias fotografias de Freddie com vários amantes e estas foram jogadas em duas páginas sob o título Todos os homens do Queen”.

VEJA TAMBÉM: Vídeos sensuais de Anitta são publicados em site pornô

Hutton acrescentou que Prenter tentou entrar em contato com Mercury para explicar, ligando para Garden Lodge “mas Freddie não quis falar com ele”. Hutton disse: “Prenter tentou desculpar seu comportamento assustador dizendo que a imprensa o perseguia há tantas semanas que ele finalmente desmoronou sob a pressão. Freddie não queria conhecer as desculpas de Prenter; sentiu-se imperdoavelmente decepcionado”.

Paul Prenter era o gerente de Freddie. (Foto: Reprodução/Internet)

Como Paul Prenter morreu?

O cantor não reconheceu publicamente que ele tinha a doença sexualmente transmissível até que ele divulgou uma declaração em 23 de novembro de 1991 – um dia antes de sua morte.

“Após a enorme conjectura na imprensa nas últimas duas semanas, desejo confirmar que fiz um teste de HIV positivo e tenho AIDS”, começou.

“Achei correto manter essas informações em sigilo até o momento, a fim de proteger a privacidade das pessoas ao redor. No entanto, o tempo chegou para os meus amigos e fãs em todo o mundo saiba a verdade e espero que todo mundo vai se juntar a mim, meus médicos e todos aqueles em todo o mundo na luta contra esta terrível doença”, finalizou.

Prenter morreu de complicações relacionadas à Aids em agosto de 1991, apenas três meses antes da morte de Mercury.