O clipe de Michael Jackson que acabou sendo proibido por ser sexy demais

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Michael Jackson deu ao mundo vários vídeos musicais icónicos. O clipe para “In the Closet” pode não ser tão famoso como os projetos audiovisuais para “Beat It”, “Thriller”, ou “Billie Jean”. No entanto, continua a ser um dos seus vídeos mais interessantes.

Parte do que torna o vídeo memorável é que ele é co-estrelado pela top model Naomi Campbell, uma das mais famosas modelos de moda de todos os tempos. No vídeo, Jackson e Campbell retratam uma relação através da dança. Embora o clipe tenha tido uma recepção positiva dos fãs em todo o mundo, na verdade ele acabou sendo banido na África do Sul.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Jackson queria originalmente que a sua canção “In the Closet” fosse um dueto com a Madonna. Porém Madonna pretendia que o clipe da canção apresentasse Jackson vestido como mulher (travesti). Isto porque ela queria que o vídeo “fizesse jus” ao título da canção (“Dentro do Armário”), apesar de a faixa em si não ter absolutamente nada a ver com a comunidade LGBTQ. Jackson não era adepto desta ideia e acabou frustrando os planos de Madonna.

(FOTO: Reprodução)

Para conceber o projeto do vídeo, Jackson colaborou com Herb Ritts, um famoso fotógrafo. Depois de clicar muitas celebridades para as principais revistas Vanity Fair e Vogue, Ritts tinha-se tornado um grande realizador de vídeos musicais. Antes de trabalhar com Jackson, a Ritts dirigiu os clipes icônicos de “Cherish” de Madonna e “Wicked Game” de Chris Isaak.

VEJA TAMBÉM: Sexo a três, homens e mulheres: a vida sexual de Janis Joplin

Após a ideia descartada de Michael Jackson vestido como mulher, Ritts surgiu com outros planos para o vídeo. Ritts disse que o clipe deveria apresentar Jackson dançando freneticamente com Campbell, que era uma modelo extremamente famosa naquele momento. A sua ideia foi usada para o vídeo final. De acordo com registros, Jackson e Campbell ficaram brincando um com o outro no cenário de filmagens. Os dois famosos até se meteram numa luta de comida com chantilly. Imaginem a atenção que a dupla teria tido se houvesse filmagens disso!

(FOTO: Reprodução)

O clipe finalizado é semelhante aos vídeos da Ritss, já mencionados, por ser sensual e monocromático. No entanto, não é tão complexo como os vídeos do Jackson para “Black or White” ou “Bad”. O projeto de Ritts optou mais pela simplicidade. De acordo com Michael Jackson Style, Ritts disse: “Desta vez não se trata realmente de cenários escandalosos e 50 bailarinos. Trata-se realmente de trazer a energia de Michael de uma nova forma”.

O clipe foi proibido na África do Sul por ser provocativo e sensual demais. O projeto não inclui qualquer nudez, mas retrata Campbell e Jackson dançando muito próximos, de uma forma que a relação sexual fica sugerida – embora não soe nada tão ousado quanto a televisão moderna. A proibição do vídeo só mostra como os tempos mudaram desde o início dos anos 90!

Independentemente da recepção mista do vídeo na África do Sul, Campbell tinha uma visão positiva de Jackson. Em 2019, ela postou que sentiu a sua falta no Instagram e disse que ele permaneceria sempre no seu coração.

Assista ao resultado final do clipe abaixo:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio