Miley Cyrus
A cantora norte-americana Miley Cyrus (FOTO: Reprodução)

Em uma das suas fases mais lembradas pelos fãs de música pop, Miley Cyrus lançou em 2013 um single intitulado “We Can’t Stop” (“Nós Não Conseguimos Parar”), que já chegou cercado de polêmica na época. Segundo o site TMZ e críticos musicais, a canção que foi produzida por Mike Will Made It, P-Nasty e Rock City faria apologia às drogas e ao uso de cocaína.

Em um determinado trecho da letra, a cantora diz “trying to get a line in the bathroom” (“tentando obter uma fileira no banheiro”), sobre o consumo de cocaína em festas, e “dancing with Molly”, que seria uma gíria para usar ecstasy.

Um agente do produtor de Cyrus, Mike WiLL Made It, porém, desmentiu as acusações de que a faixa estivesse se referindo ao uso de drogas em seu novo trabalho. O músico alegou ao TMZ que a artista canta “dancing with Miley”, não Molly.

Após o lançamento de “We Can’t Stop”, críticos também notaram referências às drogas MDMA e cocaína, justamente nos versos “Dançando com Molly” e “Tentando Enrolar no Banheiro“. Em entrevista para a MTV concedida quatro dias depois, o produtor da faixa Mike Will explicou que deixaria que cada um interpretasse a faixa por conta própria.

VEJA TAMBÉM: Katy Perry diz que filha mostrou dedo do meio em ultrassom: “Essa é a minha garota”

Numa entrevista compartilhada em 2013 pela revista ‘Rolling Stone’ dos EUA, Miley Cyrus chegou a afirmar: “Hollywood é o lugar da cocaína, mas maconha é muito melhor. E Molly [uma variedade do ecstasy] também. Essas são drogas felizes, drogas de uso social. Elas te fazem querer ficar com amigos. Você fica em espaço aberto. Não num banheiro”.

Já em 2014, uma foto causou polêmica na mídia onde a cantora posa sentada no sofá do estúdio de uma gravadora, com um notebook sobre os joelhos e, à sua frente, uma mesa coberta com um suposto cigarro de maconha, um pacote de papéis para fumo, uma nota enrolada de um dólar e um frasco com pó branco.

Miley Cyrus em 27 (à esq.) e 28 de novembro de 2014. (Foto: Instagram)
(FOTO: Reprodução)

Já neste ano, no último Dia da Maconha celebrado em abril, Miley parabenizou os fãs e amigos que iriam comemorar a data, mas informou que não pretendia fumar. “Eu não vou fumar, mas o resto da minha família com certeza vai ficar feliz ‘Feliz 4/20!”, disse.

De hábitos canábicos, a artista parou de fumar maconha em 2017. Em entrevista para o apresentador Jimmy Fallon, ela disse que estava tenho sonhos repetidos em que caía morta por fumar muita maconha. Chegou declarar que ficou completamente sóbria e sem drogas por cerca de um ano antes de voltar fumar novamente. Só que agora, Miley não fuma tanto quanto antes. Posteriormente, Miley disse que começou fumar maconha outra vez e foi sua mãe que a influenciou.