A rainha do rock Janis Joplin - Wikimedia Commons

Em fevereiro de 1970, uma das praias mais famosas no mundo, recebeu uma das mais impactantes e brilhantes vozes que o planeta já ouviu cantar. A cantora americana Janis Joplin, oito meses antes de falecer por conta de uma overdose, pousava em Copacabana para transformar suas férias em um período de reabilitação e tentar se afastar do uso de heroína. A ideia parecia boa, visto que a droga praticamente não existia à época no Brasil, mas Janis Joplin pousou no Rio às vésperas do carnaval, e a artista não se intimidou diante da folia carioca, deixando os planos de desintoxicação de lado.

Quem recebeu a cantora em um quarto e sala no bairro do Leblon foi o fotógrafo Ricky Ferreira, responsável também pelas raras imagens que marcaram a passagem de Janis Joplin pelo Brasil. Ricky a encontrou caminhado sozinha pela praia, depois de ser expulsa do hotel Copacabana Palace por ter nadado nua na piscina.

E pra quem acredita que uma das maiores cantoras do rock jamais se apresentou no Brasil, está bem engano, pois Janis Joplin cantou no Rio, mas não em um grande palco ou um teatro à sua altura, ao contrário, foi barrada em um camarote no Theatro Municipal, mas sim em um inferninho em Copacabana, onde ela deu uma palinha para os poucos privilegiados que estavam no local e também onde conheceu o cantor Serguei.

VEJA TAMBÉM: Manu Gavassi já fez plástica no nariz e colocou silicone; veja o antes e depois

Porém, acima de tudo, pelos poucos dias que esteve no Rio, Janis bebeu dos mais baratos aos mais caros drinques. Depois se jogar no carnaval com o lendário DJ Big Boy, de assistir ao desfile das escolas, então na Candelária, e de fazer topless nas areias de Copacabana, Janis ainda viajou de moto até Arembepe, aldeia a 50 km de Salvador, na Bahia.

A rainha do rock de sua geração viria a falecer em 04 de outubro de 1970, entrando para o grupo dos artistas de rock que morreram aos 27 anos e, de sua passagem meteórica pelo Rio de Janeiro, restam as sensacionais imagens de Ricky, como um documento de uma época, que foram publicadas pela primeira vez na Revista Trip no ano 2000.