Michael Jackson
O astro norte-americano Michael Jackson (FOTO: Annie Leibovitz)

Do escritor e jornalista Damien Shields: “Você não sabe! Você não estava lá!”, este é um argumento comumente apresentado por pessoas de ambos os lados do debate relativo às alegações de abuso sexual infantil que têm atormentado a estrela pop Michael Jackson durante os últimos 27 anos.

É um argumento que se manteria forte na maioria dos casos – especialmente nos casos históricos de alegados abusos sexuais de crianças, em que as provas físicas são quase impossíveis de encontrar. E é o argumento que o realizador do novo filme polarizador Leaving Neverland utilizou ao justificar àqueles que dizem que as alegações feitas contra Jackson no seu filme são falsas. Mas quando se trata dessas alegações, não só o argumento “não sabes, não estavas lá” não se mantém forte, como pode ser estilhaçado em milhões de pedaços.

Eu vi Leaving Neverland quando foi ao ar. Não queria, mas como jornalista, investigador Jackson e alguém que tencionava comentar o filme, senti que tinha de o fazer.

O filme criou histeria em massa nas redes sociais, quando estreou no Festival de Sundance, em Janeiro de 2019. A partir daí, Leaving Neverland foi ao ar em todo o mundo, inclusive nas duas redes que co-financiaram a produção do filme – HBO, nos EUA, e Channel 4, no Reino Unido.

Antes de o ver, escrevi um artigo intitulado “O que a mídia se recusa a te dizer sobre Michael Jackson, Leaving Neverland & as alegações de abuso de crianças”. No artigo, notei que aqueles que tinham visto o filme estavam a usar palavras como “poderoso” e “convincente” para o descrever. Eu estava muito cético sobre se o filme poderia ser verdadeiramente “poderoso” ou “convincente”. Senti-me assim por duas razões. Em primeiro lugar, porque conduzi mais de uma década de investigação exaustiva sobre a vida de Jackson, e nunca descobri provas de crimes contra crianças. E, em segundo lugar, porque conhecia os acusadores – Wade Robson e James Safechuck – que tinham grandes problemas de credibilidade e um enorme motivo financeiro para mentir. Ambos têm processado o espólio de Jackson e as empresas dele durante anos – o primeiro desde 2013 e Safechuck desde 2014 – cada um deles em busca de milhões e milhões de dólares. Até à data, os seus processos já foram julgados duas vezes. Estão atualmente no seu terceiro recurso.

No entanto, assisti, como todo mundo, ao “Leaving Neverland”.

A história cativa, começando com uma história aspiracional de como estes dois jovens rapazes se conheceram e se tornaram amigos do seu ídolo – a maior estrela do planeta. E depois, 40 minutos depois do filme de quatro horas, os rapazes, que agora são homens adultos, começam a discutir os alegados abusos. Em pormenor. E tenho de admitir que sim, é “convincente” e é “poderoso” – tal como todos dizem que é.

Na minha opinião objetiva, olhando de fora para dentro, Robson e Safechuck parecem-me ter credibilidade. Muitos dos fãs de Jackson discordam, afirmando a sua convição de que é óbvio que os dois homens estão a mentir. Mas isso é porque os fãs de Jackson conhecem estes casos por dentro e por fora. Eles estudaram as milhares de páginas de transcrições de tribunal disponíveis publicamente, depoimentos, moções legais, declarações juramentadas e muito mais. Ninguém quer ser um fã de um abusador ou apologista pedófilo – por muito talentoso que seja o cantor e dançarino acusado. Por causa disso, muitos dos fãs mais dedicados de Jackson fizeram o esforço para garantir que o seu apoio não é desperdiçado com alguém que possa ser provado como um monstro.

Mas para um espectador que não pesquisou os detalhes das alegações, e que não está ciente das questões de credibilidade e dos motivos financeiros de Robson e Safechuck, deve parecer balela. Se as alegações feitas em Leaving Neverland são verdadeiras, então Jackson é realmente um monstro.

Mas as acusações feitas no filme não são verdadeiras. Na verdade, grande parte do filme é a antítese da verdade. Além disso, as questões de credibilidade e os motivos financeiros dos dois acusadores foram completamente ignorados no filme, tal como as inconsistências e contradições gritantes que destroem toda a sua narrativa. As provas que encontrará ao investigar devidamente as acusações contra Jackson não são incriminatórias – elas o eximem da culpa.

Algumas das acusações feitas a Jackson em Leaving Neverland são mentiras. Não há outra palavra para elas. E, apesar de um punhado de investigadores e jornalistas tenazes descobrirem novas provas explosivas que provam que estas alegações são mentiras, a grande maioria dos meios de comunicação social dançou em torno da questão ou ignorou-a completamente.

Aqui vou delinear as mentiras mais significativas de Leaving Neverland, destacando uma série de outros fatos cruciais, testemunhas, inconsistências e contradições que Dan Reed esqueceu de incluir no seu filme. Vamos começar com a maior e mais óbvia mentira de todas – uma mentira que atira toda a narrativa de Leaving Neverland para a confusão e destrói completamente a credibilidade tanto do director Reed como do acusador Safechuck.

Quando James Safechcuck faz a alegação “poderosa” e “convincente” de que foi abusado na estação de trem do rancho de Jackson’s Neverland, ele está mentindo. “Não sabe, não estava lá”, dirão alguns em resposta a tal afirmação. E é verdade que eu não estava lá. Mas eu sei. Como? Porque nem Jackson nem o seu acusador estavam lá. E como posso dizer isto com toda a certeza? Porque a estação de trem Safechuck afirma que o Jackson abusou dele, na altura, não existia.

(FOTO: Youtube)

Numa declaração juramentada feita no âmbito do seu processo multimilionário contra o património e as empresas de Jackson, Safechuck afirma explicitamente, sob pena de perjúrio, que foi abusado sexualmente pelo Rei da Pop entre 1988 e 1992. Nunca antes de 1988, e nunca mais depois de 1992. Em Leaving Neverland, Safechuck afirma que durante as fases iniciais deste alegado período de abuso ele e Jackson tiveram relações sexuais “todos os dias” numa sala no andar de cima da estação de trem. “É como quando se sai com alguém pela primeira vez e se curte muito”, diz Safechuck com uma gargalhada em Leaving Neverland.

Mas os documentos recentemente publicados fizeram explodir a alegação da Safechuck de sexo diário na estação de trem em pedacinhos. As licenças concedidas pelo condado de Santa Barbara provam que a construção da estação só foi aprovada pelas autoridades locais em Setembro de 1993 – quatro anos depois de Safechuck alegar ter sido abusado “todos os dias” nela.

Num embaraçoso esquecimento cerebral, o director Dan Reed fez a ridícula insinuação via Twitter de que Jackson poderia ter construído a estação de trens anos antes de receber a autorização do Condado de Santa Barbara para o fazer, tornando possível a alegação de sexo diário na estação por parte da Safechuck.

Assim, para ter a certeza absoluta de que Jackson não construiu a estação de trem anos antes de receber a autorização do condado, o jornalista britânico e biógrafo de Jackson Mike Smallcombe contatou Steven Starr, um fotógrafo que tirou uma série de fotografias aéreas de Neverland via helicóptero, em 25 de agosto de 1993. Estas imagens provam sem qualquer dúvida que a estação não existia na altura em que a Safechuck afirmou, “poderosamente” e “convincentemente”, em Leaving Neverland, que tinha sido abusado na mesma. Smallcombe verificou duas vezes que 25 de Agosto de 1993 era de fato a data verdadeira e exata das fotografias em questão. “Essa data é exata”, confirmou Starr, acrescentando: “Tenho alguns dos registros originais e esse é o carimbo da data.”

A fotografia abaixo foi tirada em 25 de Agosto de 1993. A estação de trens não estava lá (topo da imagem). Os trabalhos no relógio floral tinham começado.

Além disso, a construção da estação ferroviária não foi concluída e o edifício só foi inaugurado em meados de 1994 – meia década depois de Safechuck afirmar que ele e Jackson faziam sexo “todos os dias” nela, e pelo menos dois anos depois de Safechuck jurar, sob pena de perjúrio, que o seu abuso às mãos de Jackson tinha terminado completamente.

É preciso aceitar que Safechuck está mentindo quando diz que Jackson lhe abusou na estação. Não pode, pura e simplesmente, ser verdade. E tendo confirmado que este elemento-chave da história de Safechuck é uma mentira, como podemos confiar em qualquer outra coisa que ele diga no filme, ou como parte do seu processo judicial multimilionário?

A resposta é simples. Não podemos.

Safechuck afirma que Jackson abusou dele de 1988 a 1992, inclusive na estação de Neverland. A estação de trem de Neverland não foi construída até 1994.

(FOTO: Youtube)

O realizador de Neverland, Dan Reed, foi alvo de um escrutínio extremo por parte dos fãs de Jackson e de um punhado de jornalistas, por aparentemente não ter verificado os fatos ao fazer o filme, e por permitir que uma mentira tão flagrante fosse apresentada de forma tão proeminente no filme. Desde então, Reed tem sido obrigado a reafirmar que não há dúvidas quanto às datas de construção da estação de trens.

Mas em vez de reconhecer graciosamente que falhou nas suas funções básicas como documentarista, Reed tentou virar-se contra os jornalistas que fizeram o seu trabalho corretamente. Num tuíte bizarro para Smallcombe, que foi fundamental para expor a estação de trens de Safechuck, Reed afirmou descaradamente que, embora as datas de construção da estação não pudessem ser contestadas, a data em que algumas pessoas se enganaram seria a data em que Jackson deixou de abusar da Safechuck. E apesar de Safechuck jurar, sob pena de perjúrio, que Jackson deixou de abusar dele em 1992, Reed insiste em que Jackson abusou dele na estação, o que implica essencialmente que o abuso ocorreu numa data não especificada, em algum momento após a abertura da estação em meados de 1994.

E assim, para salvar o seu filme desacreditado, a única defesa disponível de Reed é acusar a sua própria testemunha principal de perjúrio, encurralando Leaving Neverland numa espécie de purgatório jornalístico, em que o seu realizador deve implorar ao seu público que aceite que Safechuck tenha mentido sob juramento e simultaneamente investir e acreditar em tudo o que ele diz.

Pior ainda para Reed, na sua pressa em pedir desculpa pela história da estação, parece que, involuntariamente, pôs em xeque toda a narrativa do seu filme. A mensagem de Deixar Neverland, inquestionavelmente, é que Jackson se aproveitou de rapazes jovens e depois os abandonou quando chegaram à puberdade, substituindo-os por modelos mais jovens. Neste sentido, o filme repetiu as próprias declarações juramentadas de Safechuck nas suas contínuas exigências de dinheiro – as mesmas declarações juramentadas em que ele testemunhou repetidamente sob juramento que Jackson nunca lhe tocou depois de 1992.

Ao reescrever a história para incluir agora Jackson molestando Safechuck na estação, Reed e Safechuck destroem os seus próprios arcos narrativos. Durante todo o ano de 1994 (enquanto a estação estava a ser construída) e até 1995, Jackson residiu entre Nova Iorque, onde estava a gravar o seu álbum HIStory, e também em Graceland em Memphis, Tennessee, onde viveu com a sua mulher, Lisa Marie Presley. Assim, na altura em que Safechuck poderia ter estado no rancho ao mesmo tempo que Jackson e a sua estação (meados de 1995), Safechuck teria 17 anos e 1,80 cm de altura – fisicamente maior do que o próprio Jackson.

Desde que fez as suas alegações de abuso em 2014, Safechuck tem afirmado constantemente que o alegado abuso terminou em 1992, aos 14 anos de idade. Safechuck afirma que isso se deve ao fato de, para além de 1992, se ter tornado demasiado grande e demasiado velho para satisfazer o alegado interesse pedófilo de Jackson pelos rapazes pré-púberes. Safechuck afirma mesmo em documentos legais, e em Leaving Neverland, que em 1992 outro rapaz, Brett Barnes, o substituiu, insinuando que Barnes passou a ser a próxima vítima do cantor depois de Jackson ter perdido o interesse por Safechuck. Mas Barnes, a quem não foi dado o direito de resposta pelo director Dan Reed, foi às redes sociais para refutar essa insinuação.

Macaulay and Brett Barnes do NOT join Wade Robson's lawsuit. WHAT ...
Michael Jackson's family call Leaving Neverland a 'public lynching ...
Leaving Neverland 'LIES' blasted by man who REPLACED Wade Robson ...

Não só temos de lidar com estas mentiras, como também temos de lidar com as pessoas que perpetuam estas mentiras“, disse Barnes via Twitter. “O fato de não fazerem a pequena quantidade de investigação necessária para provar que estas são mentiras, por opção ou não, torna a situação ainda pior”.

Barnes também contratou um advogado para exigir que a HBO retirasse a sua imagem e referências de Leaving Neverland, e até ameaçou processá-los por permitirem a inclusão de uma sugestão tão obscena no filme.

Mas espere, há mais!

Já que estamos ainda a falar de James Safechuck e da sua incapacidade de dizer a verdade, vejamos outro dos elementos altamente controversos da sua história em constante mudança – quando e como ele afirma ter percebido que foi alegadamente abusado, e como e porquê afeta tanto a narrativa de Leaving Neverland como a validade do seu processo multi-milionário contra o espólio de Jackson e suas empresas.

Na sua declaração sob juramento, Safechuck afirma que, em 2005, disse à sua mãe, Stephanie Safechuck, que Jackson o tinha abusado. Esta narrativa é um pouco apoiada por uma cena do filme Leaving Neverland, onde Stephanie afirma que “dançou” quando soube que Jackson tinha morrido em 25 de Junho de 2009. “Fiquei tão feliz por ele ter morrido”, diz ela, acrescentando que os seus pensamentos estavam: “Graças a Deus, ele não pode fazer mal a mais crianças.” No entanto, noutro documento, Safechuck abandona a afirmação de que disse à sua mãe que tinha sido abusado, afirmando, em vez disso, que apenas lhe disse que Jackson “não era uma boa pessoa”, sem dar qualquer explicação ou contexto. Esta é a versão dos acontecimentos que o próprio Safechuck admite em Leaving Neverland.

Desde o lançamento do filme, o realizador Dan Reed assumiu a responsabilidade de falar em nome de Safechuck e Robson em entrevistas à imprensa para o promover.

Numa entrevista, Reed explica como é “incrivelmente óbvio” para quem viu Leaving Neverland que Safechuck disse de fato à sua mãe, em 2005, que foi abusado. “Ele disse-lhe ‘Michael abusou de mim’ em 2005”, diz Reed. “Isso está claro no filme”, acrescenta Reed, a quem “viu o filme com os olhos e os ouvidos abertos”.

Segundo a sua própria admissão, Reed não sabe quase nada sobre Michael Jackson. E apesar de ter feito um filme sobre o assunto, Reed claramente não estudou devidamente as declarações juramentadas que fazem parte dos processos de Robson e Safechuck contra o espólio de Jackson – ele nem sequer mencionou os processos no seu filme – e não pode falar sobre as suas alegações sem as minar ou contradizer.

Na mesma declaração de que Safechuck jura ter contado à sua mãe sobre os alegados abusos em 2005, ele contradiz-se jurando também que só em 2013 – quando viu Wade Robson a discutir os seus alegados abusos numa entrevista televisiva – é que percebeu pela primeira vez que tinha sido abusado. Outra contradição surge quando Safechuck afirma que só quando teve a “ajuda de um terapeuta” é que “finalmente pôde começar a reconhecer que foi vítima de abuso sexual infantil”.

Isso são três versões de uma história! Em arquivos legais cuidadosamente escritos! Juramentados sob pena de perjúrio! Safechuck e os seus advogados parecem não conseguir esclarecer a sua história em uma única versão.

Quando aparece no especial de TV da Oprah Winfrey After Neverland-in em que Winfrey entrevista Safechuck, Robson e Reed sobre o filme e as suas histórias – Safechuck afirma que “só quando Wade se pronunciou”, em 2013, é que percebeu que foi abusado. “Eu estava realmente a sofrer, não conseguia dormir à noite”, diz Safechuck, que explica que tinha sido dominado por sentimentos de ansiedade no período antes de Robson anunciar o seu processo multi-milionário contra a Jackson Estate.

O que não é mencionado em Leaving Neverland, em nenhum dos arquivos legais da Safechuck, ou no especial do Winfrey’s After Neverland é que em 26 de Abril de 2013 – três semanas antes de Robson aparecer na televisão para anunciar as suas alegações e processo contra a Jackson Estate – o negócio da família Safechuck foi processado por cerca de 1 milhão de dólares por alegado não pagamento a dois dos seus acionistas de quaisquer lucros durante um período de três anos, de Maio de 2010 a Maio de 2013.

Em 14 de maio de 2013, o pai de Safechuck, James Snr., foi intimado a apresentar documentos legais relativos ao processo. A mãe da Safechuck, Stephanie, que aparece em Leaving Neverland, é nomeada nos jornais como uma das testemunhas. Dois dias depois, de 16 a Maio de 2013, Robson dá a sua entrevista televisiva. Quatro dias depois, Safechuck, durante uma sessão de terapia de 20 de Maio de 2013, afirma que agora percebe que Jackson também lhe abusou. A partir daí, Safechuck junta-se ao processo judicial de Robson. Até hoje, ambos os homens continuam a buscar milhões e milhões de dólares no legado de Jackson.

As declarações de Safechuck de que ele estava “realmente sofrendo” e “não conseguia dormir à noite”, na altura em que Robson apareceu na televisão, podem ser atribuídas ao fato de que a sua família estava sendo cobrada a apresentar quase um milhão de dólares em alegados dividendos por pagar. No mínimo, era um motivo conveniente para “perceber” que ele chegou a ser abusado. E a afirmação de Safechuck de que ele podia “descobrir o que fazer” também pode ser vista através de uma lente diferente, considerando o tempo desta revelação. Embora uma ação judicial intentada contra os negócios da sua família não seja prova de que Safechuck inventou o alegado abuso, tem certamente de ser considerada como um motivo não só para ele mas também para a sua família mentirem, o que já estabelecemos ser o caso no episódio da estação de trem de Neverland.

(IMAGEM: Reprodução)

Já que estamos a falar do assunto, vamos discutir as explicações ainda mais bizarras de Wade Robson sobre como e quando ele “percebeu” o seu alegado abuso.

“Este não é um caso de memória reprimida”, anunciou Robson na sua entrevista com Matt Lauer no The Today Show de 16 de Maio de 2013, acrescentando que “nunca esqueceu um momento” do que Jackson alegadamente lhe fez. Robson continua a afirmar que Jackson “praticou atos sexuais contra mim e obrigou-me a praticar atos sexuais contra ele” durante sete anos – desde os 7 anos até aos 14 – e que, embora se lembrasse de todos os pequenos pormenores, era psicologicamente incapaz e não estava disposto a perceber que tinha sido abusado.

Robson afirma em Leaving Neverland que, apesar de não perceber que ele próprio era uma vítima, “sabia no seu instinto” que Jordan Chandler, então com 13 anos, estava a ser abusado por Jackson. “Eu sabia que era verdade”, afirma Robson no filme. Chandler é o rapaz cujo pai acusou infamemente Jackson de molestar o filho em 1993, moveu uma ação civil contra o cantor, extorquiu-lhe com sucesso 20 milhões de dólares e depois recusou-se a cooperar com as autoridades durante a sua investigação criminal. Robson diz que quando as autoridades se aproximaram dele durante a investigação de Chandler em 1993, ele não pôde “comparecer”, admitindo que entendia que o contato sexual entre um adulto e uma criança estava errado, mas não queria discuti-lo. Robson, então com 11 anos de idade, negou de forma convincente o conhecimento sobre o contato sexual entre Jackson e qualquer criança – inclusive ele próprio – quando a polícia o entrevistou.

Ao longo da sua entrevista na televisão e do seu testemunho sob juramento no âmbito da investigação criminal de 1993, Robson negou de forma convincente o abuso em privado durante mais de duas décadas. Inúmeras pessoas da vida pessoal e profissional de Robson afirmaram que Robson defendeu livre e abertamente Jackson em conversas privadas com eles. Segundo a mãe de Robson, Joy, ele “riu e disse que era ridículo” quando ela lhe perguntou diretamente se Jackson alguma vez o tinha abusado, acrescentando: “Ele olhava-me nos olhos vezes repetidamente e dizia-me que nunca tinha acontecido nada.”

Mas Robson alega agora que Jackson o forçou a mentir em todas estas situações, alegando que a super estrela pop ameaçou que eles “iriam ambos para a prisão para o resto da [sua] vida” se alguém descobrisse a sua alegada relação sexual.

Desde que entrou com o seu processo multimilionário contra a Jackson’s Estate, em 2013, Robson afirmou que “não sabia” que o que ele e a Jackson alegadamente estavam a fazer era errado. Robson afirma que só numa sessão de terapia, em 2012, é que finalmente conseguiu “perceber” que tinha sido abusado. Esta é a mesma história que Safechuck dá numa das suas múltiplas narrativas de “realização”.

No caso de Robson, a ideia de que ele não “percebeu” o que ele e Jackson alegadamente estavam a fazer está errado contradiz a sua afirmação de que Jackson lhe disse que eles “iriam ambos para a prisão para o resto da [sua] vida“, se alguém descobrisse isso.

Além disso, o próprio Robson demonstrou que sabia – não apenas quando criança, em 1993, mas como adulto dez anos mais tarde, em 2003 – que esse comportamento estava errado. Quando lhe perguntaram, numa entrevista de 26 de Novembro de 2003, se alguma vez tinha ocorrido algo de sexual entre ele e Jackson, Robson, então com 21 anos de idade, afirmou com firmeza: “Eu nunca tive essa experiência e espero que não tenha acontecido a mais ninguém.”

Dezoito meses mais tarde, Robson tomou posição como primeira testemunha de defesa no julgamento penal de Jackson em 2005. Apesar de agora afirmar que “nunca esqueceu um momento” dos abusos que Jackson alegadamente lhe infligiu, Robson resistiu a uma linha detalhada de interrogatório do advogado de defesa de Jackson, Thomas Mersereau, e a um contra-interrogatório do experiente procurador Ron Zonen. Robson foi questionado inúmeras vezes, de diversas formas, tanto pela defesa como pela acusação, sobre a existência de qualquer contato físico inadequado entre ele e Jackson. Robson respondeu com firmeza a todas e a cada uma das perguntas, independentemente da forma como lhe foram colocadas, que nada tinha acontecido.

Por isso, é inacreditável que Robson – como um homem de 22 anos, testemunhando sob juramento, num tribunal, como parte de um julgamento criminal em que Michael Jackson foi acusado de abuso sexual de crianças – ainda não tivesse percebido de que as atividades sexuais em que ele e Jackson alegam agora ter participado estavam erradas.

Outra contradição com a afirmação de Robson de que “nunca esqueceu um momento” do que Jackson alegadamente lhe fez surge quando analisa a sua história sobre a primeira vez que diz ter sido abusado.

Entre o final de 2012 e o início de 2013, pouco depois de “perceber” que tinha sido abusado e pouco antes de instaurar o seu processo multimilionário, Robson tentou escrever um livro. Em troca do livro, que detalharia o seu alegado abuso, Robson queria uma “grande quantidade de dinheiro“, segundo Alan Nevins, o agente de Los Angeles que Robson utilizava para comprar o conceito do livro. No manuscrito do livro proposto, que Robson tentou desesperadamente esconder da Jackson’s Estate ao processá-los, descobriu-se que a versão não publicada de Robson dos acontecimentos era diferente da versão que ele detalhava no seu processo judicial multimilionário.

No livro, Robson afirma que em Janeiro de 1990 passou duas noites em Neverland com a sua família, e que com a permissão dos pais, ele e a irmã, Chantal, dormiram no quarto de Jackson, juntamente com a super estrela pop. É importante notar que o quarto de Jackson é enorme – tem dois níveis e é do tamanho de uma casa pequena. Robson afirma no manuscrito do livro que nada “fora do normal” aconteceu durante essas duas primeiras noites. Robson continua a afirmar que depois dessas duas primeiras noites inofensivas, toda a família Robson foi para o Grand Canyon, mas sem ele, deixando Wade, então com 7 anos de idade, sozinho com Jackson em Neverland. Foi então que Robson alega que Jackson começou a abusar dele. “Na primeira noite após a minha família ter partido, Michael começou a acariciar o meu pénis por cima das minhas calças de pijama”, diz Robson no livro proposto.

O manuscrito foi entregue a Harper Collins, Pan Macmillan, Sidgwick & Jackson e a muitos outros, mas nenhuma editora estava interessada. Quando ficou claro que Robson não tinha conseguido o lucrativo negócio do livro que esperava, ele processou a Jackson’s Estate por milhões de dólares.

Mas quando Robson foi deposto como parte desse processo, a credibilidade das suas reivindicações – tanto das escritas no manuscrito do seu livro como das feitas no seu processo – começou a desfazer-se em pedaços.

Quando questionado sobre o seu livro, partes do manuscrito foram lidas a Robson. Foi-lhe então pedido que confirmasse se o que tinha escrito sobre a primeira vez que alegadamente tinha sido abusado era consistente com o que se lembrava. Chocantemente, apesar de afirmar em entrevistas à imprensa que “nunca esqueceu um momento” do que Jackson alegadamente lhe fez, Robson admitiu no seu depoimento juramentado que na realidade não se conseguia lembrar. “Sim, eu realmente não me lembro“, testemunhou Robson.

No entanto, em Leaving Neverland, Robson senta-se em frente à câmera e conta uma história “poderosa” e “convincente” sobre um período de tempo que ele testemunhou, sob pena de perjúrio, de que não se lembra. “Não me lembro realmente” e “nunca esqueci um momento” são duas posições polarizadoras a tomar ao fazer uma alegação tão grave como o abuso sexual de crianças – especialmente quando a pessoa que está a acusar está morta e incapaz de se defender.

Os e-mails divulgados como parte do processo de Robson também revelam que antes de processar Jackson’s Estate, Robson estava a se comunicar com a sua mãe e a pedir-lhe que preenchesse enormes espaços em branco na sua memória.

Além disso, em declarações juramentadas como parte desse processo, e em contradição direta com o manuscrito do seu livro, Robson alega que, apesar de a irmã estar na mesma sala que eles, Jackson começou a molestá-lo na segunda noite desse primeiro fim-de-semana em Neverland – antes da viagem da família Robson ao Grand Canyon.

Robson volta então atrás com o seu próprio testemunho. Em Leaving Neverland, Robson conta uma versão dos acontecimentos em que a primeira vez que Jackson alegadamente abusou dele foi na primeira noite que passou sozinho com Jackson enquanto a sua família passeava pelo Grand Canyon.

Esta mudança repetida nos acontecimentos é problemática por uma série de razões.

Para começar, apenas uma versão da história, se é que alguma, pode ser verdadeira. Isso significa que, de uma forma ou de ambas as versões da história, Robson deve estar mentindo-. Mas qual das versões é uma mentira? A resposta é que ambas as versões são mentiras. E se tomarmos a declaração juramentada de Robson pelo seu valor pontual – que ele “não se lembra realmente” daquela primeira viagem a Neverland-temos de descartar completamente a sua versão desses alegados acontecimentos.

Então como podemos determinar o que realmente aconteceu em Neverland durante e depois desse primeiro fim-de-semana? O testemunho juramentado da mãe de Robson nos dá a resposta.

Quando a mãe de Robson, Joy, foi questionada em relação ao caso Chandler em 1993, perguntaram-lhe se o seu filho tinha passado algum dia sozinho com Jackson em Neverland. “O meu filho nunca esteve no rancho sem mim até este ano”, respondeu ela. Isto contradiz categoricamente a afirmação que Robson faz no seu manuscrito do livro, no seu processo multi-milionário, e em Leaving Neverland – que a sua família o deixou sozinho com Jackson durante cinco dias enquanto visitavam o Grand Canyon em Janeiro de 1990.

O próprio Robson testemunhou no julgamento criminal de Jackson em 2005, sob pena de perjúrio, que a única vez que ele esteve no rancho sem a sua mãe foi em 1993. Então, se Robson nunca tinha sido deixado sozinho com Jackson em Neverland antes de 1993, como é que Jackson poderia ter abusado de Robson durante cinco dias consecutivos em Neverland, em 1990? A resposta é simples. Ele não poderia ter.

A mãe de Robson corrobora isso mais duas vezes, em duas declarações juramentadas separadas, dadas com 23 anos de diferença.

Em 1993, ela testemunhou que a sua família tinha estado no Grand Canyon durante cinco dias em Janeiro de 1990. “Fomos ao rancho durante o primeiro fim-de-semana, depois saímos e fomos ao Grand Canyon, e fizemos uma viagem”, explicou ela, acrescentando: “Voltamos ao rancho para o fim-de-semana seguinte.” Quando lhe foi pedido que especificasse quem tinha ido ao Grand Canyon durante esses cinco dias entre os fins-de-semana, a mãe de Robson disse: “A minha família“. Não houve qualquer menção ao filho deixar a viagem da família para ficar em Neverland com Jackson.

Num depoimento separado, dado em 2016-três anos depois de o filho ter entrado com o seu processo multimilionário Joy Robson foi novamente questionada, muito especificamente, sobre quem tinha ido ao Grand Canyon durante esses cinco dias. “A senhora, os seus filhos, o seu marido e os seus pais foram todos fazer uma viagem turística ao Grand Canyon?” perguntaram-lhe ela. “Sim”, respondeu ela, confirmando que a sua “família inteira“, incluindo Wade, tinha visitado o Grand Canyon em Janeiro de 1990.

Coletivamente, estas provas estabelecem que a alegação feita por Robson no seu projeto de livro, no seu processo judicial multimilionário e em Leaving Neverland-que ele foi abusado sexualmente durante cinco dias consecutivos em Janeiro de 1990, no rancho de Jackson’s Neverland, são simplesmente impossíveis. Isso faz de Wade Robson um mentiroso.

E eu não sou a primeira pessoa a chamar Robson de mentiroso. Na verdade, o juiz de instrução que avaliou o processo multimilionário de Robson contra o espolio de Jackson botou todo o seu caso para fora dos tribunais depois de descobrir que ele tinha mentido tão gravemente nos seus autos legais que nenhuma pessoa de índole correta poderia leva-lo a sério.

Embora tenham sido identificadas várias mentiras nos seus autos, o arquivamento do processo de Robson centra-se numa mentira particularmente escandalosa. Na sua declaração juramentada, Robson afirma que desconhecia a existência do The Estate of Michael Jackson até que entrou com o seu processo contra eles em 2013.

A apresentação da ação judicial contra Robson baseou-se no alegado “fato” de Robson não saber que Jackson tinha um espólio. Se Robson soubesse, a prescrição tê-lo-ia impedido de intentar a sua ação, porque esperou demasiado tempo após a morte de Jackson para o fazer.

Mas a alegada falta de conhecimento de Robson sobre a existência do espólio de Jackson não era de todo um fato. Era uma mentira ousada. E ele foi pego por isso. Mas como?

Em 2011, Jackson’s Estate preparava-se para criar uma produção do Cirque du Soleil baseada na música e dança da super estrela pop. Nesse mesmo ano, Robson tentou conseguir o papel lucrativo de diretor da produção.

Em fevereiro de 2011, Robson foi informado pelo seu agente que precisaria da aprovação da Jackson’s Estate para ser contratado pelo Cirque du Soleil. Robson ligou então para a Jackson’s Estate e marcou uma reunião cara a cara com John Branca, um dos dois co-executores da Herdade.

Em Maio de 2011, Robson expressou que “sempre quis fazer este espetáculo”, num e-mail para um executivo do Cirque. Implorando pelo trabalho, Robson acrescentou: “Eu sei que estou destinado a fazer este espetáculo”. Estou apaixonado por fazer este espetáculo”. Quero torná-lo fantástico para mim, para ti, para o Circo e claro, para o Michael”.

Dois meses mais tarde, em Julho de 2011, Robson afirmou numa entrevista que tinha sido contratado para produzir o espetáculo, dizendo: “Estou a começar um espetáculo do Cirque Du Soleil Michael Jackson… é uma oportunidade para eu retribuir o seu legado… e para ter a certeza que é bem feito e que representa realmente a sua essência.”

Mas no ano seguinte foi decidido pelo Jackson Estate que Robson não era o melhor homem para o cargo. Em vez disso, contrataram Jamie King para dirigir o espetáculo do Cirque. Sem sucesso nas suas tentativas de ser contratado, Robson começou a afirmar que Jackson o tinha molestado quando era criança. Isto levou à tentativa falha de Robson de obter uma “grande” soma de dinheiro para um negócio literário, o que depois o levou a processar o espólio de Jackson por milhões e milhões de dólares – tudo isto enquanto alegava que ele não sabia que Jackson State existia.

Quando o juiz descobriu que Robson sabia, de fato, que Jackson tinha um espólio – porque os e-mails de Robson assim o revelaram; e porque Robson se tinha encontrado com dirigentes numa oferta para ser contratado por eles – o juiz expulsou todo o caso de Robson do tribunal porque não havia nenhum elemento de fato razoável que pudesse acreditar na declaração juramentada de Robson.

Somos mais de 5.000 palavras neste artigo, e ainda não cobrimos todas as mentiras conhecidas e prováveis contadas por Robson e Safechuck nos seus processos e em Leaving Neverland. Vou tentar passar por cima de mais algumas, antes de mudar o meu foco para Dan Reed e Oprah Winfrey.

Uma das mentiras ainda não mencionadas também foi descoberta na declaração juramentada de Robson. Nela, Robson fez a afirmação de que era “incapaz de continuar a trabalhar ou ter um ofício que exigisse alguma capacidade” devido ao alegado abuso que lhe foi infligido por Jackson. Robson exigiu que a Jackson’s Estate o compensasse pela perda de rendimentos. Mas a sua afirmação absurda pode ser facilmente refutada simplesmente revendo uma lista dos projetos de projetos de artes em que Robson esteve (e continua a estar) envolvido durante o período em que afirma ter sido “incapaz” de trabalhar “de qualquer forma”.

Robson também afirma em Leaving Neverland ter sido forçado a testemunhar no julgamento de Jackson, em 2005. Robson afirma que não queria defender Jackson, mas que quando recebeu uma intimação percebeu que não tinha escolha e decidiu concordar com ela. Mas há um problema com esta afirmação. Segundo o investigador privado Scott Ross, que entrevistou Robson em nome da equipe jurídica de Jackson para determinar a sua credibilidade como testemunha de defesa, ele não recebeu uma intimação. “Gostaria de ver a intimação que nunca recebeu”, disse Ross numa entrevista na sequência do lançamento de Leaving Neverland. E como é que Ross sabe que Robson nunca recebeu uma intimação? perguntei-lhe eu: “Porque eu sou a única pessoa que teria a deferido.”

Leaving Neverland': Michael Jackson Accusers Respond to Criticism ...
Wade Robson, diretor Dan Reed e James Safechuck (FOTO: Reprodução)

Outra mentira contada em Leaving Neverland vem de James Safechuck.

(Antes de prosseguir com o relato de Damien Shields é necessário se abrir um curto parênteses com um curto texto de Julia Berkwotiz)

‘‘Representado pelo mesmo advogado de Wade Robson, Safechuck também possui uma estranha e semelhante explicação. Como Robson, ele alega, que percebeu muito tempo depois (2010) que tinha sido molestado por Michael Jackson.

Vocês não acham um pouco conveniente que estes dois homens, tendo o mesmo advogado apresentam discurso tão semelhantes? E que, depois de todos estes anos eventualmente os fizesse, perceber que sofriam abusos do MJ?

Similar à “profecia de Spielberg” na queixa de Wade Robson, um tema subjacente de Safechuck é a amargura sobre suas ambições da carreira.

Em sua queixa, ele respira frustração sobre o fato de que sua carreira profissional não saiu do jeito que imaginouculpa Michael Jackson por isso.

Safechuck aspirava uma carreira no show business. Inicialmente ele foi convencido por Jackson para estudar e ser tornar um ator.

Jackson aparentemente lhe ajudou por um tempo. Embora Safechuck alega que o abuso ocorreu em 1992, quando tinha 14 — mesmo assim, eles continuavam a serem amigos. Em 1994, aos 16 anos, ele acompanhou MJ e sua então esposa, Lisa-Marie Presley em uma viagem à Hungria.

No ano seguinte, Safechuck participou da produção do curta-metragem ‘‘Earth Song’’ como um “estagiário do diretor”.

Safechuck foi para a faculdade e muito breve se tornou um desenvolvedor de Web, seus sonhos no mundo do entretenimento então, estavam fracassados.

O fato é que hoje, Safechuck respira amargura e se queixa sobre Jackson “descarrilhar sua educação”… e não cumprindo promessas para ajudá-lo no show business, após sonhos fracassados. Assim Safechuck se criou a partir dos contos de alegações abuso sexual infantil.

E eu acho que, James Safechuck nesse “documentário” conquistou finalmente a carreira de ator que sempre queria’’

Julia Berkowitz,
Justice for The Falsely Accused

James Safechuck (FOTO: Reprodução)

Safechuck conta uma história sobre como Jackson alegadamente o chamou e lhe pediu que testemunhasse no mesmo julgamento de 2005 em que Robson testemunhou. Mas Safechuck diz que ele recusou. “Eu disse não, e ele ficou muito zangado comigo”, afirma Safechuck no filme, acrescentando que Jackson “ameaçou-me com os seus advogados, e disse que eu próprio tinha cometido perjúrio há anos atrás”. E que ele tem os melhores advogados do mundo e que eles me iam me pegar”.

Estas alegações são problemáticas por duas razões.

Em primeiro lugar, muito antes mesmo de o julgamento ter começado, o juiz no processo decidiu que o testemunho relativo de Safechuck não seria permitido. Era uma “não-entidade”, o que significa que a acusação não o podia referir no seu caso contra Jackson, pelo que Jackson não teria necessidade do depoimento de Safechuck em sua defesa. Mas, apesar deste fato comprovado, Safechuck recorda acontecimentos “poderosos” e “convincentes” que nunca aconteceram – tal como quando afirma ter sido abusado “todos os dias” numa estação de trem que não existia.

A verdade sobre o caso “Leaving Neverland” — A História de James ...
Michael Jacson e Safechuck na infância (FOTO: Reprodução)

Em segundo lugar, a afirmação de Safechuck de que Jackson ameaçou que os seus advogados o “apanhariam” porque ele próprio tinha “cometido perjúrio” é ridícula. Um contexto rápido: Durante a investigação do Chandler, em 1993, Safechuck escreveu uma declaração juramentada afirmando que Jackson nunca o tinha abusado. É sobre esta declaração juramentada que Safechuck afirma que Jackson o ameaçou. A razão pela qual esta declaração é tão ridícula é simples. Para Jackson acusar Safechuck de cometer perjúrio, Jackson teria de dizer literalmente a Safechuck: “Eu abusei de ti e tu mentiste sobre isso na tua declaração sob juramento”. Mas Jackson sempre insistiu veementemente na sua inocência. E Safechuck afirma que só em 2013 se percebeu que tinha sido abusado.

Além disso, porque é que Jackson enviaria os seus advogados para “apanhar” Safechuck se Jackson tivesse de fato abusado dele? Por que razão quereria Jackson expor Safechuck como “perjurador” se, ao fazê-lo, exigiria que Jackson admitisse, em tribunal, que tinha abusado de Safechuck? Esta mentira ousada da Safechuck é uma das mais absurdas de todas. No entanto, o realizador Dan Reed incluiu-a no seu filme e a HBO transmitiu-a para todo o mundo ver. Sem ceticismo. Sem escrutínio. Apenas um simples disparate.

Outra narrativa fictícia que rendeu manchetes durante a promoção unilateral dos principais meios de comunicação social de Leaving Neverland é que Jackson abusou de Robson e Safechuck “centenas e centenas de vezes” e que o abuso ocorreu “todas as vezes” que estiveram juntos. 

Esta noção tem origem numa sugestão feita pela repórter da BBC Victoria Derbyshire durante uma entrevista com Robson e Safechuck. “Sabe quantas vezes ele abusou de si?”, perguntou a ambos os homens sobre os alegados abusos às mãos de Jackson. “É incontável“, responderam eles. “Então isso são centenas e centenas de vezes”, sugeriu Derbyshire. Tanto Robson como Safechuck concordaram que esse número era excto.

Mas o testemunho juramentado da mãe de Robson é que enquanto a família Robson, incluindo Wade, foi para Neverland aproximadamente 40-50 vezes durante um período de 14 anos, Jackson quase nunca esteve lá. Joy Robson estima que Jackson estava fisicamente lá, na presença da família Robson, incluindo Wade, em apenas quatro ocasiões. A ex-namorada de Wade Robson de mais de sete anos (sobrinha de Jackson, Brandi Jackson) e seu irmão (Siggy Jackson) corroboraram o testemunho de Joy Robson, concordando que Jackson quase nunca esteve em Neverland quando eles estiveram.

Wade, Michael Jackson e sua sobrinha (FOTO: Reprodução)

Espere um segundo! Wade Robson namorou a sobrinha de Michael Jackson? Durante mais de sete anos? Porque é que nada disto foi abordado em “Leaving Neverland”? Talvez seja porque as circunstâncias em torno da sua relação levantam questões adicionais sobre a credibilidade de Robson.

Robson conheceu Brandi Jackson em 1990 no cenário de uma sessão fotográfica para um comercial de calçado em que apareceram juntamente com Michael Jackson. Dezoito meses depois a dupla reencontrou-se – desta vez no cenário do clipe “Black Or White” de Jackson, de 1991, na qual também apareceram.

De acordo com Brandi, Wade “desenvolveu uma paixão” por ela durante os seus breves encontros enquanto crianças, e pediu a Michael para criar uma situação em que eles se pudessem voltar a ver um ao outro. Jackson agradeceu. “Meu tio convidou Wade, sua mãe e sua irmã, assim como eu e meu irmão, para o rancho”, recorda Brandi. “Por isso passamos lá cerca de cinco a sete dias, apenas para nos conhecermos melhor. Chegamos mais perto neste período e, no final da viagem, ele perguntou-me muito amavelmente se eu seria a sua namorada. Foi uma coisa muito querida”.

Brandi insiste que em todas as fases do seu tempo com Wade, a sua relação era “adequada à idade” – começando com nada mais do que um simples gesto de mãos dadas e progredindo naturalmente ao longo da adolescência. Quando a relação chegou à idade adulta, Brandi diz que ela perdeu a sua virgindade com Wade. A relação acabou um ano depois, quando Wade a traiu com Britney Spears – que na altura namorava Justin Timberlake – e outros.

O que tem tudo isto a ver com as alegações de Robson de que Jackson abusou dele durante sete anos? No esquema de Leaving Neverland, que Dan Reed afirma ser um documentário, ele tem muita relevância.

Primeiro, o fato de Robson ter pedido a Jackson para o montar um esquema com a sua sobrinha, e de Jackson ter concordado, contradiz completamente as narrativas apresentadas em Leaving Neverland e noutros locais, que Robson estava romanticamente apaixonado por Jackson, e que Jackson desencorajou Robson de ter relações com mulheres.

E em segundo lugar, a relação de Brandi e Robson continuou durante e após o período em que Robson agora alega que estava a ser abusado por Jackson. Apesar de ter sido capaz de oferecer importantes insights sobre Robson durante esse período; apesar de ter sido capaz de expor várias discrepâncias temporais não abordadas no filme; e apesar de ter sido capaz de identificar uma série de pontos urgentes com os relatos em constante mudança de Robson, Brandi Jackson não foi contatada por Dan Reed durante a realização de Leaving Neverland. Nem o seu irmão mais velho, Siggy Jackson, que também esteve presente em várias viagens à Neverland com Wade e a família Robson, e que desde então se tem referido a eles como “oportunistas”.

“O fato de a HBO e os seus sócios produtores nem sequer se terem dignado a chegar a nenhuma destas pessoas para explorar a credibilidade das histórias falsas contadas por Robson e Safechuck viola todas as normas e éticas do cinema documental e do jornalismo”, disse Howard Weitzman, advogado da Jackson Estate.

VEJA TAMBÉM: Manchas do pênis de Michael Jackson teriam sido descritas por suposta vítima de pedofilia

Por falar em oportunistas, falemos por um momento de Oprah Winfrey.

Como já foi mencionado anteriormente neste artigo, Winfrey transmitiu o seu próprio especial de televisão chamado After Neverland. Transmitido imediatamente após Leaving Neverland transmitido na HBO, After Neverland apresentou entrevistas com Robson, Safechuck e Reed, em frente a uma audiência de estúdio ao vivo de pessoas que dizem ser sobreviventes de abuso sexual de crianças.

Oprah Winfrey é há muito tempo uma defensora das vítimas de abuso sexual infantil, tendo produzido 217 episódios do The Oprah Winfrey Show apenas sobre esse tema. Nos momentos de abertura do After Neverland, Winfrey explica que ficou tão impressionada com a forma como Dan Reed apresentou as alegações de abuso sexual de crianças contra Jackson que o chamou e disse: “Dan, conseguiste ilustrar nestas quatro horas o que eu tentei explicar em 217 [horas].”

Winfrey reconheceu que “as pessoas em todo o mundo vão estar em alvoroço” sobre o filme “Leaving Neverland” e a sua promoção, e que as pessoas vão continuar a questionar se Robson e Safechuck são mentirosos ou não, mas que isso não lhe interessa porque o tema do filme “transcende Michael Jackson”. Winfrey afirmou então que se os telespectadores de Leaving Neverland se tornarem mais conscientes de como acontece o abuso sexual de crianças – mesmo que Jackson seja inocente -, então “alguma coisa de bom terá acontecido”.

Winfrey não se engana quando diz que o tema transcende Michael Jackson. É claro que sim. Mas o filme em si, cheio de prováveis mentiras atrás de mentiras, não transcende, Jackson. É meramente uma mancha no legado de Jackson como o músico mais amado e mais vendido na história da música popular mundial.

Nas primeiras entrevistas promocionais, o diretor Reed contou a história de como surgiu a ideia de “Leaving Neverland”. Reed estava a tomar o pequeno-almoço com Daniel Pearl, um editor do Channel 4. Eles estavam a discutir os temas maiores e mais controversos sobre os quais poderiam fazer um documentário. Pearl sugeriu que “a controvérsia de Michael Jackson” poderia ser um bom tema.

Mas, nas palavras de Reed, “não sabia nada sobre a história de Michael Jackson”. Assim, Reed colocou um investigador a trabalhar, que viajou durante algumas semanas pelos fóruns de fãs de Michael Jackson, e voltou com algumas notas sobre os dois processos falhos de Robson e Safechuck contra a Jackson’s Estate e empresas. Reed contatou então os seus advogados, e o resto é história.

Apesar de Leaving Neverland ter nascido de uma conversa centrada na ideia de fazer “a história de Michael Jackson”, Reed dirá a quem quiser ouvir que o seu filme não é sobre Michael Jackson. Mas é. Na verdade, se o nome de Jackson não estivesse associado a “Leaving Neverland”, o filme não teria sido financiado e co-produzido pela HBO e pelo Channel 4.

Por último, já que estamos a falar do Channel 4, quero chamar a atenção para a seção “Factual Programme Guidelines” do Manual dos Produtores do Channel 4 – escrito para assegurar que os realizadores da rede sejam mantidos dentro dos mais elevados padrões jornalísticos possíveis.

As orientações ditam que as equipes de produção devem permanecer imparciais na sua reportagem e que devem “rever, desafiar e [ser] devidamente céticas em relação a todas as provas e motivações dos contribuintes“. No caso de “Leaving Neverland”, esta regra foi completamente jogada pela janela.

Como o premiado repórter de investigação Charles Thomson tão bem articulado ao falar sobre as falhas jornalísticas do filme, a omissão gritante dos detalhes em torno do processo multimilionário de Robson e Safechuck contra a Jackson’s Estate e empresas é o equivalente a “entrevistar um farmacêutico para uma reportagem sobre saúde e não mencionar que é um farmacêutico lobista”. Thomson acrescentou que “mesmo o mais ferrenho odiador de Jackson teria de admitir que não mencionar o enorme e contínuo incentivo financeiro de ambos os homens para mentirem é desonesto e enganador”.

Howard Weitzman, advogado de Jackson Weitzman, também apontou os custos legais crescentes dos processos falhos de Robson e Safechuck como mais um motivo potencial para a sua decisão de participar no filme. “O Estado passou anos a litigar com Robson e Safechuck, e teve quatro processos diferentes destes dois homens arquivados com prejuízo“, disse Weitzman, acrescentando que “Robson deve ao Estado quase setenta mil dólares em custas judiciais, e Safechuck também deve ao Estado vários milhares de dólares”.

Outra parte do Manual do Produtor do Canal 4 especifica que “a verdade não deve ser sacrificada em nome de um programa mais divertido, se isso significar enganar o telespectador”. As linhas de orientação reiteram então que “nunca é aceitável representar algo como se tivesse acontecido algo que não aconteceu”.

No entanto, tal como detalhado neste artigo, a verdade foi sacrificada durante a produção de Leaving Neverland, e coisas como a mentira gritante da Safechuck de que ele foi abusado numa estação de trens que não existia – estavam representadas para ter acontecido quando, de fato, não aconteceram.

O Channel 4 e o Ofcom, o regulador de emissões aprovado pelo governo, ainda não responderam à minha pergunta abaixo sobre como é que um filme que viola de forma tão flagrante as suas diretrizes jornalísticas foi autorizado a ir para o ar.

Caro @Channel4

As suas Orientações Factual do Programa especificam:

“Nunca é aceitável representar algo como se tivesse acontecido algo que não aconteceu.”

Dan Reed inclui em #LeavingNeverland que a violação de crianças ocorreu numa estação de trems que NÃO EXISTIA.

POR FAVOR EXPLIQUE!

Damien Shields é o autor de Michael Jackson: Songs & Stories From The Vault- um livro que detalha o processo criativo do Rei do Pop e disseca a anatomia da sua arte. O livro está disponível em formatos físicos e digitais via Amazon e iBooks

(IMAGEM: Reprodução)