whitney houston
A cantora norte-americana Whitney Houston (FOTO: Reprodução)

O clássico I Will Always Love You foi cantado pela primeira vez há quase 20 anos como uma música country, escrita e interpretada pela intérprete e compositora Dolly Parton.

Embora Houston pudesse ter popularizado a melodia com a sua voz poderosa, notas altas e uma sensação de tristeza única, foi Parton quem criou as letras dela. E a razão pela qual Houston cantou e gravou a canção para O Guarda-Costas foi, como muitos grandes eventos históricos, um acidente total.

Whitney Houston and Dolly Parton
(FOTO: Reprodução)

Houston não foi a única artista a fazer um cover da balada de Dolly Parton. Estranhamente, a versão original de Dolly Parton de “I Will Always Love You” não foi o impulso que motivou o cover da Whitney Houston. Na verdade, o cover teve origem em duas fontes improváveis: o ator Kevin Costner e a estrela de rock Linda Ronstadt.

Segundo The Hollywood Reporter, a canção que se tornou a apoteose da carreira de Houston nunca foi originalmente destinada a fazer parte da trilha sonora de O Guarda-Costas. Houston tinha originalmente planejado fazer um cover duma balada da Motown de 1966 intitulada “What Becomes of the Brokenhearted” do cantor Jimmy Ruffin, mas os seus planos acabaram frustrados depois que a produção ficou sabendo que a mesma canção seria usada no filme Tomates Verdes Fritos. A partir de 1975, Kevin Costner ofereceu uma versão de “I Will Always Love You”, que foi interpretada por outro cantor – o já referido Ronstadt. Com a bênção de Parton, a equipe da produção avançou, segundo a CMT News.

VEJA TAMBÉM: O dia em que o topless de Janis Joplin parou Copacabana

Whitney Houston criou sua própria interpretação a partir das versões de Ronstadt e Parton e a canção resultante acabou por ser a mais perfeita para o filme. Como disse Joe Levy, do The Hollywood Reporter, “o romance condenado da letra, e a forma como se esforça por encontrar bons desejos de tristeza, encaixam-se muito melhor na história de amor inter-racial Romeu-e-Julieta do filme”.

Whitney Houston and Dolly Parton
(FOTO: Reprodução)

Para além de Ronstadt e Houston, vários artistas tentaram a sua sorte nas suas próprias versões incluindo os cantores country Kenny Rogers e LeAnn Rimes e a ícone pop Beyoncé. Numa entrevista à Nightline (via The Hollywood Reporter), em Abril de 2012, que a cantora-compositora Dolly Parton deu apenas dias depois da morte de Whitney Houston por afogamento acidental na sua banheira, a estrela da música country expressou o seu pesar pela inesperada partida da lendária cantora. Ela disse que ouvir “I Will Always Love You” no funeral de Houston quase lhe destruiu por dentro. “Só me destroçou ouvir essa música tocada nessas condições”, disse Dolly Parton na época. Pensei que o meu coração ia parar. Apenas me furou como uma faca”.

Parton também expressou um sentimento de gratidão pela forma como a sua canção – originalmente lançada em 1974 e depois regravada para a trilha sonora de The Best Little Whorehouse no Texas, em 1982, que a cantora country estrelou – iria ligar para sempre a estrela country à falecida Whitney Houston.

Whitney Houston
(FOTO: Reprodução)

“É que – não consigo explicar esse sentimento, pensar que era tão definitivo para ela, e que eram as minhas palavras e o meu sentimento – estaria para sempre tão ligado a ela”, acrescentou Parton. Mesmo que nunca fosse essa a sua intenção, a versão de Whitney Houston de “I Will Always Love You” é simbólica de uma mudança radical na paisagem cultural americana, de formas que ainda hoje reverberam. Embora a canção tenha sido originalmente escrita para audiências de música country, a tomada de alma de Houston, inspirada no Evangelho, tornou-a emblemática significando algo maior do que a própria música.

Como o jornalista e crítico Joe Levy escreveu numa análise da balada para The Hollywood Reporter, a versão de 1992 de “I Will Always Love You” desfeito as expectativas do que era possível na música quando se tratava de cruzar o apelo a diferentes grupos raciais. Levy escreveu: “Mesmo que nunca se soubesse que isto era um reflexo do país, continua a ser um cruzamento de gêneros e públicos e reforça a noção de que a música aos pretos e brancos (e os públicos) não falam diretamente uns com os outros”. Em retrospectiva, é significativo que o cover de Houston tenha sido lançado no mesmo ano que os motins de Los Angeles, irromperam depois de vários polícias brancos terem sido absolvidos por espancarem Rodney King, um homem negro.

Nos dias de hoje, os diálogos cruzados como o do hit “Old Town Road” de Lil Nas X que misturam country e hip-hop sendo cantados por um artista LGBT são a prova de que o legado de “I Will Always Love You” continua vivo. Com a inesquecível introdução acappella de Houston, é pouco provável que os fãs deixem de cantar esta versão.