Freddie Mercury
O cantor zanzibense Farrokh Bulsara mais conhecido como Freddie Mercury (FOTO: Reprodução)

Freddie Mercury deixou um legado quando morreu aos 45 anos em novembro de 1991, porém, também levou muitos segredos com ele para o túmulo.

O super talentoso vocalista do Queen foi um dos primeiros gays de alto nível a sucumbir à Aids quando a crise global estava se desenrolando, no entanto, ele nunca apareceu com sua própria família, apesar de deixar sugestões frequentes.

Sua mãe Jer Bulsara era ferozmente protetora de seu filho, como retratado na cinebiografia Bohemian Rhapsody de 2018, na qual Rami Malek interpretou o extravagante e pensativo Freddie.

No entanto, seu pai Bomi Bulsara lutou contra a profissão de seu filho e eles frequentemente entravam em atrito. Apesar da proximidade de Jer e Freddie, ele nunca foi capaz de revelar seu maior segredo para sua família, incluindo sua irmã Kashmira Cooke.

Freddie Mercury e sua mãe Jer Bulsara (Imagem: BBC)

Mesmo tendo vivido abertamente com uma sucessão de namorados e transferido seu parceiro de vida Jim Hutton para sua mansão no oeste de Londres nos últimos anos da vida, Freddie nunca se revelou como gay ou bissexual para a mãe e o pai.

Foi algo que causou muita dor a Jer, que se abriu sobre sua tristeza em uma rara entrevista de 2006. Questionada sobre se Freddie já havia lhe contado a verdade sobre sua sexualidade, sua mãe emocionada sussurrou: “não”.

“Ele não queria nos chatear. Naquela época … a sociedade era diferente. Hoje em dia é tudo tão aberto, não é?” ela disse. Jer acreditava que Freddie teria “saído do armário” publicamente se tivesse vivido o suficiente para ver tempos mais tolerantes.

Freddie Mercury e sua mãe Jer Bulsara (Foto: Reprodução)

Freddie também manteve outro segredo em seus dias de morte, numa tentativa desesperada e emocionante de proteger sua família: seu diagnóstico de Aids.

Seu cunhado, Roger Cook, disse que a família descobriu que ele estava doente, mas não tinha ideia de quão sério se tornou. “Gradualmente percebemos que ele tinha uma doença, mas não tínhamos ideia do que era ou quão grave era. Então, em agosto de 1990, Kash e eu vimos uma marca em seu pé”, lembrou Roger em 2006. “Era o sarcoma de Kaposi (um tumor escuro que indicava Aids na época)”.

“Kash perguntou o que era, se estava melhorando. Freddie disse: ‘Você tem que entender que o que eu tenho é terminal. Eu vou morrer”.

Freddie com seu parceiro Jim Hutton (Foto: Reprodução)

A conversa final entre mãe e filho ocorreu no leito de morte de Freddie em sua casa no oeste de Londres, que ele havia comprado para Mary Austin, que ele tratava como sua ‘esposa’ platônica desde o fim de seu relacionamento romântico em 1976.

VEJA TAMBÉM: Ludmilla falou sobre fãs pedirem foto durante treino: “Não tem como”

“(Foi) muito emocionante, muito difícil”, Jer disse as últimas palavras deles juntos. “Ele perguntou: ‘Você está bem? Algo na mídia preocupou você?’ Respondi: ‘Não se preocupe conosco, querido’.”

Jer acrescentou: “Ele estava tão doente e ainda estava sendo tão cuidadoso.” Tragicamente, Freddie morreu em 24 de novembro – apenas um dia depois de lançar uma declaração corajosa e desafiadora sobre seus status de HIV.

A mãe de Freddie, Jer e a irmã Kashmira (Imagem: Getty Images)

“Achei correto manter essas informações em sigilo para proteger a privacidade das pessoas ao meu redor”, escreveu ele.

“No entanto, chegou a hora de meus amigos e fãs ao redor do mundo conhecerem a verdade, e espero que todos se juntem a mim, meus médicos e todos aqueles em todo o mundo na luta contra esta terrível doença”, acrescentou Freddie.

Seu pai Bomi compareceu ao funeral de Freddie Mercury após sua triste morte por pneumonia brônquica, e a pequena família mudou-se para Nottingham, longe de Londres, para ficar fora dos holofotes. Bomi faleceu em 2003 aos 95 anos.

Quando Jer morreu aos 94 anos em 2016, o guitarrista do Queen, Brian May, fez revelações sobre a família do cantor em tributo a Freddie. “Provavelmente seja real dizer que o pai de Freddie, fortemente comprometido com a fé, não achou fácil que Freddie seguisse o caminho que ele seguia, como músico de rock, e bastante libertino”, escreveu ele.

“No entanto, o apoio sempre esteve lá. Mas Jer sempre foi uma seguidora do nosso progresso como banda, e sempre vinha nos ver quando tocávamos nas proximidades, sempre com enorme entusiasmo. Freddie era muito próximo de sua mãe.”

O pai de Freddie Bomi, com Jer e Kashmari, na inauguração da estátua da estrela do Queen em Montreux (Imagem: Press Association)

Brian lembrou-se de uma noite antes de um show no Wembley Arena, quando Freddie Mercury, desafiador, disse à banda: “Mamãe está na plateia hoje à noite. Melhor tocarmos algumas ‘porr*s’ extras!”. Mas, ele disse, Jer nunca mostrou nenhum sinal de ficar incomodada pelos modos do seu filho.

“Nós sempre a consultamos em nosso trabalho, que continuou depois que perdemos Freddie – o concerto de tributo no Estádio de Wembley; o álbum Made In Heaven , que encapsulou os últimos dons de Freddie nos vocais e foi um trabalho de amor por dois anos; o single No One But You, nossa homenagem a Freddie, que escrevi na inauguração da estátua de Freddie em Montreux, uma ocasião que compartilhamos com Jer”.

Jer morreu em 2016, com Brian May prestando um doce tributo a ela (Imagem: Facebook)

“Conversamos com ela sobre a remasterização das faixas, a aparição que fizemos no Bejart Ballet com Elton cantando, que também foi a última aparição ao vivo de John conosco, e mais tarde o trabalho com Paul Rodgers e, posteriormente, com Adam Lambert”.

Brian acrescentou: “Ela estava conosco o tempo todo. Adorava o fato de o espírito de Freddie Mercury viver tão fortemente no trabalho que estávamos fazendo, e que Freddie sempre foi uma parte física de nossos shows”.