Olivia Rodrigo desabafa com Alanis Morissette sobre a pressão da fama

artistas estão juntas em especial da Rolling Stone

Publicado em 13/10/2021 16:36
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Olivia Rodrigo e Alanis Morissette participaram do especial “Musicians on Musicians”, da Rolling Stone, no qual dois artistas de gerações diferentes falam sobre música e trocam experiências sobre a carreira. As duas cantoras têm muito em comum: começaram a fazer muito sucesso muito novas e se destacam por músicas autorais e extremamente pessoais. Via Popline.

Grande fenômeno dos anos 1990, Alanis Morissette inspirou o trabalho de Olivia Rodrigo. “Lembro de ter ficado impressionada quando tinha 13 anos. Eu estava no carro com meus pais ouvindo o álbum ‘Jagged Little Pill’. Lembro-me de ouvir ‘Perfect’ e pensei: ‘Meu Deus’. Eu disse ao meu professor de música alguns dias depois: ‘Será que consigo escrever músicas assim?’. Eu apenas olhei para a música e a composição de uma maneira completamente diferente“, revelou Olivia.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quando o assunto é compor músicas, as duas artistas se identificaram bastante. “Tento escrever todos os dias. Eu sou da mesma forma: escrevo exclusivamente para mim. Acho que se tentasse sentar ao piano e ficar tipo, ‘Vou escrever uma música que todos gostem e que ressoe com as pessoas’, nunca fica bom“, disse ela.

E continuou: “Tenho tentado lançar músicas e perceber que não são mais minhas. Eu não posso te dizer quantas músicas eu escutei e fiquei tipo, ‘Oh, meu Deus, aquele artista escreveu totalmente para mim e para minha situação,’ e eles nunca fazem isso realmente.”

Elas também discutiram sobre a pressão e críticas trazidas pela fama. Apesar de serem de gerações diferentes, Alanis e Olivia tiveram uma experiência parecida na indústria da música.

“Havia muito bullying e ciúme, e muitas pessoas que eu adorei por toda a minha vida sendo garotas malvadas”, disse Alanis.

A veterana explicou como lidou com as críticas e exposição: “Por volta dos 22 anos, parei de ler tudo porque não era realmente relevante para o meu crescimento e evolução pessoal. Eu tinha muitas pessoas ao meu redor que apontavam os pontos cegos, quer eu quisesse ou não. E eu adoro terapia, então sempre tive uma enorme equipe de terapeutas. Mas no final do dia tornou-se ‘estou me sentindo muito vista’.”

Olivia Rodrigo concordou com Alanis e desabafou sobre como é lançar músicas na era das redes sociais: “Tive uma experiência muito parecida. Lançar música na era das redes sociais pode ser realmente assustador, e acho que as pessoas consideram as mulheres jovens um padrão incrivelmente irreal. Eu segui o mesmo caminho que você e simplesmente não olhei para isso“.

Após sua ascensão meteórica, a cantora de 18 confessou que se sente pressionada com seu segundo álbum. Ela quis saber como a artista canadense lidou com a situação. “Depois de ‘Jagged Little Pill‘, em todos os lugares que eu ia, todos os supermercados sempre perguntavam ‘Quando sai seu próximo álbum? Eu também odeio homens’. Eu não queria escrever imediatamente. Há muita pressão para ser criativa. Para mim, trata-se de fotografias do que está acontecendo em sua vida agora – incluindo essa pressão“, disse Morissette.

Olivia Rodrigo fala sobre o impacto da terapia em sua vida

Olivia Rodrigo falou sobre o impacto de “mudança de vida” que a terapia teve sobre ela em uma nova entrevista. A estrela pop adolescente foi questionada sobre suas experiências com terapia durante uma entrevista para a CBS Sunday Morning .

“Eu não tinha realmente começado a ir até os 16 anos e foi um momento realmente grande, de mudança de vida, e aprendi muito sobre mim mesma”, disse ela.

Questionada se era algo que ela decidiu que precisava fazer por si mesma, ela respondeu: “Sim, era. Acho que às vezes há um estigma em torno disso também. Às vezes as pessoas ficam tipo, ‘Ah, você não precisa disso, você tem tanto. Sua vida está ótima, quais são seus problemas? ‘ Eu acho que isso é definitivamente algo que as pessoas mais velhas podem fazer com as pessoas mais jovens – banalizar o que elas estão passando porque ‘elas estão bem, elas são apenas crianças, elas vão superar isso’.

“Mas só porque não é um problema de adulto ou você não tem que pagar impostos ainda ou o que quer que seja, não significa que não dói.”

Em outra parte da entrevista, Olivia Rodrigo também descartou a percepção dela como alguém que é “uma pessoa muito triste, deprimida”. “Isso não poderia estar mais longe da verdade”, ela explicou. “Definitivamente não. Não estou chorando no chão do meu quarto o tempo todo. Mas é divertido escrever sobre coisas assim. Se eu estivesse apenas escrevendo sobre como estou feliz e conseguir meu café com leite gelado todas as manhãs ninguém iria ouvir, não seria interessante.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio