O Grupo Aglomerou (FOTO:Reprodução)

No último domingo (26), o grupo de pagode Aglomerou estava transmitindo uma live na cidade de Angra, no Rio de Janeiro, quando foi surpreendido com um tiroteio. Enquanto realizavam a performance, eles foram interrompidos por uma ação policial, que estava em busca de um líder de uma milícia.

A operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro que interrompeu a live teria como alvo um dos criminosos mais procurados do país, segundo informações do jornal O Globo. A suspeita, ainda segundo o jornal, é de que Wellington da Silva Braga, mais conhecido como o Ecko, estaria em uma festa em imóvel ao lado de onde era transmitida a live.

O nome de Ecko, estaria segundo o site, nos “Procurados”, do Ministério da Justiça desde 2017. Ele seria líder de uma milícia que “domina regiões da zona oeste do Rio de Janeiro e Baixada Fluminense, extorquindo comerciantes e moradores

LEIA TAMBÉM: Luan abre o jogo sobre fim da Um44K e fala da amizade com Saulo Pôncio

Os integrantes falaram sobre o ocorrido

Em comunicado, os integrantes do grupo afirmaram que estão bem e explicaram exatamente o que aconteceu: “Está acontecendo uma operação policial em uma casa bem próxima ao espaço, então ocorreu esse fato, mas estamos todos bem“.

Segundo o portal Uol, os nomes dos criminosos que estariam na festa não foram revelados, e ninguém foi preso durante a operação.

View this post on Instagram

Tá tudo bem!

A post shared by Grupo Aglomerou (@aglomerouoficial) on