Padre Fábio de Melo apoia religioso acusado de abuso e é cobrado no Twitter

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Presença ativa nas redes sociais, padre Fábio de Melo demonstrou apoio ao arcebispo de Belém (PA), Dom Alberto Taveira Corrêa, que foi acusado por quatro ex-seminaristas de abuso sexual. Segundo o Fantástico, um inquérito foi aberto pela Policia Civil a pedido do MP-PA (Ministério Público do Pará) e o Vaticano.

“Dom Alberto já me amparou muitas vezes. Eu gostaria que as minhas orações e o meu carinho fizessem o mesmo por ele neste momento”, disse Fábio de Melo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira (Foto: Salim Wariss / Arquidiocese de Belém)

VEJA MAIS: Romana, esposa de Alok, relata ciúme do filho ao vê-la com Raika no colo: “Gritou”

Não demorou muito para as pessoas reagirem, muita gente não gostou do apoio do padre Fábio de Melo ao arcebispo. “A Igreja Católica continua fazendo o que sempre fez: acobertar seus assediadores e desamparar crianças e adolescentes vítimas dessa podridão!”, escreveu um perfil.

Confira abaixo:

https://twitter.com/rafaell_buenno/status/1345901935073882113

Em entrevista ao Fantástico, as vítimas contaram que a casa onde vive Dom Alberto foi o lugar onde passaram seus piores dias. Elas relatam que o arcebispo as convidavam para visitá-lo. Os jovens dizem terem ficados ludibriados com os convites e que foi ali que os abusos aconteciam.

Os relatos dos jovens são similares. Todos aconteceram entre os anos de 2010 e 2014, com jovens de idade entre 15 e 18 anos quando sofreram os abusos.

Uma das vítimas conheceu o arcebispo em 2011, quando era coroinha. Na ocasião ele tinha 15 anos. Depois de algumas conversas Dom Alberto o encaminhou ao seminário menor, onde ele cursou o Ensino Médio. Foi depois disso que eles começaram a se encontrar na casa do arcebispo.

“Era sempre sobre sexualidade”, diz a vítima. “O primeiro ponto que ele sempre tocava era sobre a masturbação. Era sobre toque, se eu sentia desejo, por quem que eu sentia desejo”

Em agosto do ano passado os seminaristas procuraram a Polícia Civil e o MP-PA. Como o processo está em sigilo ninguém pode dar entrevistas.

Sobre o caso o arcebispo Dom Alberto gravou um vídeo nas suas redes sociais, chamando de “falsas acusações”.

“Digo a vocês que recebi com tristeza a poucos dias a informações da existência de procedimentos investigativos com graves acusações contra mim, sem que eu tenha sido previamente questionado, ouvido, ou tido qualquer oportunidade para esclarecer esses pretensos fatos postos nas acusações”, disse.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio