padre fabio de melo
O padre Fábio de Melo (FOTO: Reprodução)

Na última terça-feira (05), o padre Fábio de Melo surpreendeu os seus seguidores e amigos após compartilhar a sua primeira tatuagem. Na publicação, ele mostra o desenho que ainda está causando grande repercussão na web. O religioso resolveu comentar sobre as críticas que recebeu. Tiveram muitos que aprovaram a atitude.

Em entrevista ao programa “A Tarde É Sua”, o religioso disse: “Primeiramente, gostaria de dizer que eu já pertenci ao grupo dos preconceituosos. Me lembro a primeira vez que eu fui à Jornada Mundial da Juventude, na França, eu me deparei com um padre todo tatuado, de piercing. E a primeira reação que eu tive foi de rejeição. Avaliei aquela pessoa pela aparência. (….) É claro que surgem todos esses comentários de pessoas que aprovam e desaprovam, e eu tenho toda a paciência e tranquilidade com isso, pois, como eu disse, eu já estive do lado dos que não compreendem. E no Novo Testamento, os meus olhos se abriram para eu perceber a bondade das pessoas. E é isso que eu quero como padre: construir um lugar melhor. E quem sabe, com o meu trabalho, convencer as pessoas a fazer um mondo melhor. Definitivamente, o que nos faz chegar ao céu, não é uma tatuagem, um brinco, um piercing, mas é o nosso coração.”

 O padre contou que o desenho foi feito por um amigo e que deu ao inseto o nome de sua mãe, Ana. A imagem foi postada com a seguinte frase: “Para que eu nunca me esqueça que o mel é fruto de dedicação, pousei, definitivamente, uma abelha na minha mão.”

LEIA TAMBÉM: Padre Fábio de Melo faz tatuagem e famosos comentam: “Sarado e agora tatuado”

Ele completa: “Nos últimos meses que eu tenho feito a missa, todo o santo domingo, tem sempre uma abelha dentro da capela, que insiste em ficar pousando e mim. Por incrível que pareça, Deus me falou muito através disso. Nesse tempo de tanto sofrimento, e eu enfrentando aqui os meus conflitos pessoais, que vocês já conhecem, já bem quais são, eu identifiquei que a abelha tem sido o símbolo desse tempo pra mim, de permanecer. E nesse tempo de permanência, fazendo mel e construir uma coisa boa. E minha mão é uma mulher a mesta em tudo isso, e tem uma capacidade enorme de permanecer e fazer mel onde está“.