beatles
A legendária banda britânica The Beatles (FOTO: Reprodução)

Paul McCartney revelou que os Beatles defendem direitos iguais para todas as raças desde 1964, depois de se recusarem a realizar um show para um público segregado. O lendário músico de 77 anos, compartilhou a história com seus seguidores para destacar a importância de todos fazerem sua parte no movimento Black Lives Matter. Ele escreveu:

‘Enquanto continuamos a assistir aos protestos e manifestações em todo o mundo, sei que muitos de nós querem saber exatamente o que podemos fazer para ajudar. Nenhum de nós tem todas as respostas e não há solução rápida, mas precisamos mudar. Todos nós precisamos trabalhar juntos para superar o racismo de qualquer forma. Precisamos aprender mais, ouvir mais, conversar mais, nos educar e, acima de tudo, agir. ‘

VEJA TAMBÉM: Katy Perry diz que filha mostrou dedo do meio em ultrassom: “Essa é a minha garota”

Paul revelou um momento em que ele e os membros de sua banda se levantaram contra o racismo, escrevendo:

“Em 1964, os Beatles tocariam em Jacksonville nos EUA e descobrimos que seria para um público segregado. Parecia errado. “Dissemos:” Não estamos fazendo isso! ” e este foi o show que fizemos foi para o primeiro público não segregado. Então, garantimos que isso nunca mais estivesse em nosso contrato. Para nós, parecia senso comum. ”

(Picture: Paul McCartney/Instagram)
(FOTO: Reprodução)

Paul acrescentou:

“Sinto-me enjoado e zangado por estarmos aqui quase 60 anos depois e o mundo estar em choque com as cenas horríveis do assassinato sem sentido de George Floyd pelas mãos do racismo policial, junto com os inúmeros outros que vieram antes. ‘Todos nós aqui apoiamos e apoiamos todos aqueles que estão protestando e levantando suas vozes neste momento. Quero justiça para a família de George Floyd, quero justiça para todos aqueles que morreram e sofreram. Dizer nada não é uma opção. ”

No polêmico caso que causou comoção nacional nos EUA, o cidadão George Floyd foi morto por um policial de Minnesota, Derek Chauvin, após o policial lhe pressionar com o joelho no pescoço. Um vídeo de celular mostra o policial, que é branco, segurando Floyd por alguns minutos enquanto Floyd reclama que não consegue respirar. Floyd morreu pouco tempo depois em um hospital local.