A cantora Lauryn Hill
A cantora Lauryn Hill (FOTO: Reprodução)

A cantora e compositora Lauryn Hill, derrubou barreiras para artistas negras. O álbum” The Miseducation of Lauryn Hill” foi o primeiro disco de hip-hop a vencer o Grammy de Álbum de estúdio do ano, e ela não só abriu as portas da indústria da música só para as mulheres, mas também para todo o gênero do hip-hop.

Nestas cerca de 60 edições, somente 12 artistas negros venceram o prêmio mais almejado ‘Álbum do Ano’, sendo que três destes foram para o músico Stevie Wonder. As únicas negras a levarem o prêmio foram Natalie Cole com ‘Unforgettable… with Love’ (1992), Lauryn Hill com ‘The Miseducation of Lauryn Hill’ (1999) e Whitney Houston, ‘The Bodyguard’ (1994).

As indicações

Aos 25 anos, Ms. Hill teve uma carreira que mais sonhava por décadas: ela tinha sido um membro da lendária banda The Fugees, lançou o álbum premiado com vários Grammy “The Miseducation of Lauryn Hill“, e estrelou o clássico instantâneo Sister Act 2: De volta ao hábito. Em 1999, Hill foi a primeira mulher a ser indicada em dez categorias em um único Grammys, o que foi um feito gigantesco, considerando a intenção por trás deste trabalho, conforme relatado por Ahmir Thompson sobre o Roots, derivado como uma resposta à desigualdade de gênero. Não, Wyclef Jean não era o único gênio dos Fugees e não, Lauryn Hill não era sua peça principal. Hill decidiu que faria um álbum incrível sozinha e entregou.

O começo do fim?

Em 2000, ainda tão jovem, mas extremamente realizada, Hill deu um passo para longe dos holofotes. Seu status de lista A apresentava-lhe problemas como não conseguir executar uma tarefa sem glamour sem criar colunas de fofocas. Como todas as mulheres no centro das atenções, o mundo sentiu o direito de comentar sua aparência sempre que estava em público – uma tensão mental difícil para nós, fora dos holofotes, imagine para alguém que era tratada como a mulher mais famosa do mundo. No momento em que a artista decidiu distanciar-se da indústria, ela estava sendo cotada para papéis impressionantes em filmes como a adaptação cinematográfica de Toni Morrison Amado , As Panteras , A Identidade Bourne, T ele mexicana, e The Matrix, para citar alguns. 

VEJA TAMBÉM: Baile funk rola solto e gera aglomeração após decreto de flexibilização no Rio

Quando as pressões da vida começaram a sufocá-la, Hill encontrou consolo no conselheiro espiritual irmão Anthony, que é frequentemente creditado após seu desaparecimento. A verdade é que existem inúmeras teorias sobre o que aconteceu com Hill e quem ou o que a levou a deixar os holofotes. 

O retorno

Numa resposta dada ao portal Essence diretamente da Sra. Hill, afirma: “As pessoas precisam entender que aquela Lauryn Hill foi exposta no começo representava tudo o que era permitido naquela arena naquele momento … Eu tive que me afastar quando percebi que, pelo bem da indústria, eu estava me comprometendo demais. Eu me senti desconfortável por ter que sorrir no rosto de alguém quando realmente não gostava deles ou sequer os conhecia o suficiente para gostar deles”. Ela também falou sobre sua crise emocional, dizendo: “Por dois ou três anos fiquei longe de toda interação social. Foi uma época muito introspectiva, porque tive que enfrentar meus medos e dominar todo pensamento demoníaco sobre inferioridade, insegurança ou medo de ser negra, jovem e talentosa nesta cultura ocidental”. Ela continuou dizendo que tinha que lutar para manter sua identidade e foi forçada a: “lidar com pessoas que não estavam felizes com isso”.

Hill fez uma pausa na carreira depois de gravar o disco ao vivo “MTV Unplugged 2.0”, em 2001, e retornou ao mundo da música nos últimos anos. A ex-integrantes dos Fugees não anunciou planos para um disco novo. Ela gravou músicas novas, como “Neurotic Society” e “Black Rage”.

Ainda assim, nada do que ela fez teve o mesmo impacto sobre o hip-hop e o R&B como seu álbum solo de estreia, The Miseducation of Lauryn Hill. Disco, aliás que foi o único de sua excêntrica carreira.