A cantora Preta Gil (FOTO: Divulgação)

Há poucos dias para a eleição presidencial, a cantora carioca Preta Gil declarou seu voto para os mais de 6 milhões de seguidores que lhe seguem no Instagram. A cantora que havia criticado a campanha #EleNão, afirmou que votará no presidenciável Fernando Haddad, do PT, para combater a onda de facismo representada pelo candidato Jair Bolsonaro, do PSL. “Você que me disse que não é fascista, que vota no Bolsonaro porque é anti-PT. Então eu sou antifascista, por isso vou votar no Haddad e não sou petista”, afirmou a cantora.

Na legenda, a cantora ainda afirma que nunca chegou a votar no PT em outras eleições.“Chega certa altura da vida que enfrentamos situações extremas. Como, por exemplo, a que vivemos agora, quando fica muito difícil atingir um equilíbrio, já que um lado da balança não tem NADA com o que me identifico e o outro não seria minha opção a princípio. Existem certas coisas que NUNCA serão admissíveis como: intolerância, barbárie, violações de direitos humanos adquiridos, discurso de ódio, incitação à violência, roubo, corrupção e por aí vai”, escreveu.

VEJA TAMBÉM: Caetano Veloso presta solidariedade à Marília Mendonça após manifestação contra Bolsonaro

Na postagem, Preta Gil ainda pediu para que os eleitores não lhe desrespeitem por declarar abertamente seu voto. “Eu tenho tentado respeitar e principalmente dialogar com amigos e familiares que pensam diferente de mim. Ninguém é obrigado a concordar com o outro e independentemente do resultado, o que importa é que teremos que conviver a partir do respeito, com as nossas diferenças na maneira de ser ou pensar, sem violência. O Brasil é de TODOS os brasileiros”, concluiu.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Eu nunca votei no PT em outras eleições presidenciais. Quem me conhece sabe que sou uma mulher que sempre dialogou com as diferenças e sempre tentou encurtar as pontes entre elas. Com isso sempre busquei o caminho do meio nas minhas decisões, mas chega certa altura da vida que enfrentamos situações extremas. Como, por exemplo, a que vivemos agora, quando fica muito difícil atingir um equilíbrio, já que um lado da balança não tem NADA com o que me identifico e o outro não seria minha opção a princípio. Existem certas coisas que NUNCA serão admissíveis como: intolerância, barbárie, violações de direitos humanos adquiridos, discurso de ódio, incitação à violência, roubo, corrupção e por aí vai. Estive esses dias todos atenta, observando, lendo, estudando e averiguando as notícias para tomar essa decisão. Por isso tomei minha decisão baseada nos meus princípios. Roubo e corrupção estão sendo combatidos e estamos sim, todos, população, poderes judiciários e federais atentos e agindo contra roubalheira seja de que lado for, mas essa intolerância, esse ódio todo me assombra e me assusta. Peço que aqueles que não consigam respeitar ou entender meu posicionamento, que não me agridam, é meu direito. Eu tenho tentado respeitar e principalmente dialogar com amigos e familiares que pensam diferente de mim. Ninguém é obrigado a concordar com o outro e independentemente do resultado, o que importa é que teremos que conviver a partir do respeito, com as nossas diferenças na maneira de ser ou pensar, sem violência. O Brasil é de TODOS os brasileiros.

Uma publicação compartilhada por Preta Gil ? (@pretagil) em

Preta Gil critica campanha “Ele Não” e se manifesta sobre Bolsonaro

Desafiada por Anitta a apoiar a campanha #EleNão contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ), a cantora Preta Gil publicou um longo desabafo onde critica a iniciativa. Segundo a artista, o desafio virtual acaba forçando as pessoas a adotarem uma posição que talvez elas não queiram ou não se sintam confortáveis para assumir.

Apesar de alfinetar a “corrente” que atualmente repercute entre diversos famosos, a artista declarou que não vota nem apoia Jair Bolsonaro. A cantora resgatou um antigo vídeo em que foi ofendida pelo político, durante uma entrevista do ex-deputado ao extinto programa CQC, da Band, ainda em 2011. Na ocasião, o político sugeriu que Preta Gil vivia em um “ambiente de promiscuidade” e que não aprovaria o fato de alguns dos seus filhos namorarem uma “mulher como ela”.

“Não precisa ser desafiada para falar o que já é óbvio, público e notório há sete anos, parece até que se esqueceram desses vídeos, pode até ter edição, mas a intenção de me agredir não teve. Não tem como eu apoiar um candidato que fez agressões gratuitas, calúnias e difamações a mim, a minha família e a tantos outros”, explicou a artista.

preta gil bolsonaro anitta

“Eu já senti na pele a fúria do mesmo [Jair Bolsonaro] e de seus eleitores, e não me intimidei, nem entrei no jogo da violência, segui sendo quem eu sou, lutando pelos meus ideais com amor e respeito e defendendo o que considero certo sem precisar ofender ninguém”, continuou a cantora.

“Não me sinto no direito de desafiar ninguém a declarar repúdio ou apoio a ninguém, cada pessoa se posiciona ou não, por livre e espontânea vontade e deve ser respeitada. #SouEleNão há 7 anos e sei que está difícil, que estamos cansados, mas não podemos deixar o ódio dominar nossas vidas”, afirmou.

VEJA TAMBÉM: Após ataques à sua família, Marília Mendonça apaga vídeo contra Bolsonaro

Vote em quem quiser, mas não agrida ninguém, não ameace as pessoas, isso não está certo. Sigo aqui na paz, lutando por mim e por todos e todas que são diariamente atacados por discursos e atitudes racistas, homofóbicas e machistas!!! Ps: vocês que me cobraram posicionamento esses dias, que me xingaram e me ameaçaram, vocês não me conhecem, já meus fãs conhecem meu caráter e minha índole, eles não me cobram e não me julgam, eles me apoiam”, finalizou Preta Gil.