Michael Jackson
O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Reprodução_

O espólio de Michael Jackson está fora de maiores problemas quando se trata de uma disputa judicial milionária envolvendo o produtor do álbum “Off The Wall”, o legendário Quincy Jones. O produtor e o falecido astro norte-americano vem travando uma disputa avaliada em cerca de 9 milhões e meio de dólares por royalties não pagos e uma nova decisão sobre o caso foi anunciada pelo tribunal de apelações na última terça-feira (dia 5). O 2º Tribunal Distrital de Apelação da Califórnia disse que um tribunal inferior cometeu um erro quando permitiu que um júri calculasse uma enorme quantia depois que a MJJ Productions violou acordos com Quincy Jones.

Um painel de três juízes anulou os US $ 1,6 milhão concedidos anteriormente por causa de um remix envolvendo Michael Jackson e os US $ 5,3 milhões concedidos por lucros de uma joint venture. Quincy Jones, contudo teve três outros recebimentos, incluindo quase $2 milhões de dólares por taxas de “uso principal” relacionadas ao filme “This Is It”. Segundo informações da Variety, um tribunal de apelação anunciou que o produtor não tem direito a receber os quase R$ 40 milhões em direitos autorais e taxas que tinham sido autorizados.

O hitmaker e produtor começou a criticar o astro norte-americano alguns anos depois que Jackson morreu de overdose acidental do propofol anestésico em junho de 2009. Entre suas queixas, Jones disse que o espólio do cantor modificou músicas que ele produziu nos álbuns de sucesso de Jackson “Off The Wall”, “Thriller” e “Bad” e depois as usou em “This Is It” e em dois shows no Cirque du Soleil sem lhe compensar financeiramente pelo uso das canções. Um júri retornou um veredicto especial a favor de Jones em 2017. Ele descobriu que ele tinha direito aos US $ 9,4 milhões, incluindo os US$ 1,6 milhão pelo suposto fracasso da propriedade de marca do artista em fornecer ao produtor o direito prioritário em remixar canções de sua autoria. Após um julgamento inicial de duas semanas, os jurados concederam US$ 9,4 milhões a Jones, equivalente a cerca de R$ 40 milhões. Agora tal decisão acabou sendo revogada.

VEJA TAMBÉM: Michael Jackson fingia fazer sexo com esposa sugere ex-funcionária do cantor

“A interpretação dos Acordos de Produtores era apenas uma função judicial, mas o tribunal permitiu que o júri desempenhasse essa função e, finalmente, interpretou mal os termos relevantes”, afirmou a decisão de 45 páginas obtida pelo Daily News. “Quincy Jones foi a última pessoa que pensávamos que tentaria tirar vantagem de Michael Jackson entrando com uma ação judicial três anos depois que ele morreu, pedindo dezenas de milhões de dólares aos quais não tinha direito”, disse o advogado da propriedade do astro Howard Weitzman em comunicado nesta terça-feira.

Numa polêmica entrevista de 2018 para a prestigiada revista Vulture, o produtor afirmou que o Rei do Pop “roubou” várias partes de suas músicas de outros artistas, chamando-o de “maquiavélico”. “Odeio falar disso publicamente, mas Michael roubou muita coisa […] . “State of Independence”, da Donna Summer, e “Billie Jean”, cara. As notas não mentem. Ele era maquiavélico. […] Ganancioso, cara. Ganancioso”.

Na antiga entrevista, Quincy também comentou sobre a aparência do astro, dizendo que queria “matá-lo” por causa das cirurgias plásticas. Segundo Jones, Michael justificava todas alegando “alguma doença que tinha”, porém o produtor sabia que era por conta do complexo alimentado pelo pai do artista. Quincy é mais reconhecido por ajudar Michael Jackson a produzir o antológico álbum Thriller, que viria a ser o álbum mais vendido de todos os tempos.

Foto: Wikimedia Commons