Projota
(FOTO: Divulgação)

Projota divulgou nesta sexta-feira (26) o clipe de seu mais novo single intitulado “A Voz e o Violão”. Depois de lançar “Mayday” e “Sr. Presidente”, com a política como tema e trazendo críticas sociais, desta vez ele optou por uma letra mais romântica inspirada em sua esposa, Tamy Contro.

O clipe acaba retratando de alguma maneira a nossa história. É lindo de ver, me emociona demais”, revelou Projota numa entrevista ao Extra. “Quando eu te vi, foi fácil me apaixonar/ Ela é do tipo de pessoa que anima o lugar/ Assiste Friends, joga truco, e só sabe sonhar/ Mano, se ela jogar Fifa comigo eu vou casar”, canta ele.

VEJA TAMBÉM: Marcelo D2 critica Bolsonaro e é chamado de “maconheirinho”

Assista abaixo:

“Eu não voto no Bolsonaro” dispara o rapper Projota

Com a campanha eleitoral se encerrando no Brasil, muitos artistas se manifestaram politicamente durante o processo e o rapper Projota foi um destes. Em sua música “Sr. Presidente”, o artista aborda a difícil situação vivida pelos brasileiros na economia e inclusive, na vida cotidiana. Na faixa, o rapper aproveita para criticar a classe política, porém Projota afirma que não quis se limitar aos governantes atuais.

“Essa música não fala só de agora. A gente tem enfrentado dificuldades, principalmente os mais pobres, desde o início da democracia. Essa é uma música para todos os presidentes, de todos os tempos” explicou.

Numa entrevista ao colunista Leo Dias, o cantor paulista fez várias revelações, inclusive contou em quem jamais votaria. Engajado no assunto, Projota revelou que não votaria de jeito nenhum em um candidato bastante polêmico. “Eu não voto no Bolsonaro porque, entre todos os candidatos, é o que deu mais declarações que vão contra as coisas que eu penso. Somente por isso. Mesmo que ele venha a vencer, eu sei respeitar as pessoas que votam, tenho que respeitar as outras visões”, explica.

“Essa eleição é muito difícil e eu espero que as pessoas tenham bastante consciência na hora de votar. Não acho que estamos bem representados. E acho que todo mundo está com essa sensação”, afirmou.

O músico explicou que não poderia se abster de comentar a política. “Eu sempre faço essas músicas que falam sobre política, sobre a realidade da nossa sociedade e mais uma vez eu venho representar o que meu público pensa. A grande maioria dele representa uma parte do Brasil que está desamparada, se sentindo sem uma representação política, e ‘Senhor Presidente’ fala exatamente sobre isso. Ela fala com quem vier a ser o novo presidente, que a situação está difícil e que a gente está de olho”, contou.