michael jackson
O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Reprodução)

Se você está procurando uma leitura cativante, temos tudo o que você precisa. É hora de abrir o cofre e explorar a vida e os tempos de um dos artistas mais lendários do século XX. Quem era o verdadeiro Michael Jackson? Um novo livro fascinante de um dos mais competentes especialistas em Jackson responde a muitas das perguntas do mundo e fornece a análise mais profunda do rei do pop já escrita.

Intitulado: “Bad: Na Unprecedented Investigation into the Michael Jackson Cover-Up”, é descrito como uma visão interna do lado sombrio de um ícone da música e da ascensão e queda do cantor. Escrito por Dylan Howard, autor e jornalista investigativo, dá uma nova perspectiva sobre o cantor e sua psique.

Ao investigar várias fontes, Howard revela que seu sujeito era em parte manipulador de arco e em parte vítima de ingênuo. Ele explorou aqueles ao seu redor – mas também foi explorado por outros.

“Havia dois Michaels, e ambos eram tão diferentes que nunca poderiam se reconciliar. Ele era um verdadeiro personagem de Jekyll e Hyde”, diz Howard.

Uma das ideias mais fascinantes sobre a personalidade do cantor vem do vídeo do gravado secretamente durante um voo privado. Jackson está desprotegido e conversando com seu advogado sobre a investigação de acusações de abuso infantil feitas contra ele. Jackson passa boa parte do voo batendo no advogado do distrito de Santa Barbara, Tom Sneddon, o promotor no caso.

De acordo com Howard: “Para surpresa dos que ouviram ou viram a fita, não havia evidências da voz mansa de Michael. Em vez disso, ele falou com um tom autoritário em uma voz profunda.”

A investigação de Howard que foi lançado nos Estados Unidos em 7 de julho, é baseado em uma biblioteca meticulosa de material de origem, incluindo entrevistas, informações de familiares, páginas do diário de Jackson, contas em primeira pessoa, milhares de páginas de documentos judiciais e notas confidenciais do jornal de Jackson, arquivos do investigador particular e anotações de caso.

A pesquisa escrupulosa do autor fornece um dos relatos mais oficiais já publicados sobre a complexa vida e personalidade da estrela. Howard escreve: “Para alguns que há muito sustentam que Michael não é nada parecido com o rinoceronte inocente que ele cultiva através de sua imagem, a sugestão de que Michael se mostre um homem cruel e cruel foi uma justificativa.”

Howard descobriu que, na indústria da música, Jackson tinha uma reputação de negociador feroz, que estava interessado em detalhes.

“Desde tenra idade, Michael aprendeu a gerenciar seus próprios negócios e a avaliar de forma inteligente contratos complicados”, revela Howard. “Embora todos quisessem trabalhar com ele, ninguém gostava de negociar com ele. Ele foi perspicaz e fez muito poucos negócios em seus 40 anos de carreira.”

VEJA TAMBÉM: Vídeos sensuais de Anitta são publicados em site pornô

O relato forense do autor sobre a morte de Jackson revela que, em janeiro de 2009, no entanto, o julgamento da estrela foi prejudicado por drogas e medo de ruína financeira.

Ele assinou seu contrato final para realizar uma série de shows no O2 em Londres sem analisar completamente os detalhes. Inicialmente, Jackson pensou que estava se inscrevendo para apenas dez datas, mas a estrela doente estava de fato assinando um contrato que poderia vinculá-lo a datas indefinidas. 

Sob os termos do contrato, ele era responsável por todos os custos de realização do show e não seria pago até que fossem recuperados. A pressão pesou sobre a estrela e o levou a um comportamento cada vez mais extremo.

“De forma trágica”, explica Howard, “a residência de curto prazo de Michael na Arena O2 foi transformada em sentença de prisão perpétua”. E, como o livro conclui, foi uma frase que acabou resultando na morte da estrela.