Em novo show, Roger Waters esconde crítica a Bolsonaro e sugere ter sofrido censura

roger waters
(FOTO: Reprodução)

Na passagem de sua nova turnê pelo Brasil e no primeiro show realizado em São Paulo na terça (dia 9), Roger Waters fez uma provocação ao público, comparando o presidenciável Bolsonaro a um neofacista. A manifestação política do músico foi apoiada e criticada por muitos fãs, gerando uma discussão que continua rendendo comentários nas redes sociais.

VEJA TAMBÉM: AMA 2018: Adam Lambert será vilão em filme com Meghan Trainor e Daniel Radcliffe

Já na segunda apresentação novamente no estádio Allianz Parque em São Paulo, o show acabou sofrendo pequenas mudanças. O nome do candidato à presidência pelo PSL apareceu coberto no telão e o público foi avisado da razão: “ponto de vista político censurado”. Porém, a faixa foi retirada momentaneamente revelando o nome do candidato e em seguida foram exibidas algumas palavras de resistência. Enquanto as palavras eram expostas no telão, fãs do músico se revezavam em gritos e manifestações de “ele não” e “ele sim”.

Confira:

Vale lembrar que outras manifestações do músico ainda são esperadas já que Roger Waters só irá partir do Brasil após o segundo turno das eleições. O ex-integrante do Pink Floyd ainda fará shows da turnê “Us + Them” em Brasília (13/10), Salvador (17/10), Belo Horizonte (21/10), Rio de Janeiro (24/10), Curitiba (27/10) e Porto Alegre (30/10).

Através do Instagram, Roger publicou um vídeo onde pede a união de todas as pessoas  para a criação de um bom futuro para as crianças e as próximas gerações. “Precisamos encontrar uma maneira de usar nossa força de protesto para lutar contra os porcos”, exclamou. “Mantenha-se humano”, escreveu na legenda em português.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

THANK YOU SÃO PAULO! MANTENHA-SE HUMANO

Uma publicação compartilhada por Roger Waters (@rogerwaters) em

Em show no Brasil, Roger Waters chama Bolsonaro de facista e é vaiado

O músico britânico Roger Waters se apresentou na noite desta terça-feira, 9 de outubro, em São Paulo e mandou um recado mais do que bem dado para os brasileiros. Durante o seu show, o ex-Pink Floyd colocou em seu telão o nome de diversas personalidades mundiais, que de acordo com ele, representam os avanços do fascismo no mundo.

O nome escolhido para resumir a situação do Brasil na lista foi o do ex-deputado Jair Bolsonaro, candidato à presidência. Além dele, também foram mencionados na lista Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, Vladimir Putin, presidente da Rússia, Nigel Farage, liderança do Partido de Independência no Reino Unido (UKIP), e Sebastian Kurz, chanceler da Áustria.

Confira abaixo:

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

#rogerwatersbrasil #rogerwaters #resistneofascism #thewallrogerwaters #rogerwatersthewall #fascismonao #preconceito #racismonão #liberdade #elenão ?>?

Uma publicação compartilhada por Angelica van der Velden (@angelica.velden) em

Na apresentação doze crianças apareceram vestidas de macacão laranja e um capuz, como reféns do Estados Islâmico, e então, veio a introdução de Another Brick in the Wall, com direito a passos de coreografia dos pequenos. O público foi ao delírio quando elas arrancaram parte das roupas e surgiram com uma camiseta com os dizeres Resist (resista, em inglês).

VEJA TAMBÉM: Dua Lipa fala sobre campanha contra Bolsonaro no American Music Awards

A mudança de atmosfera no show veio no intervalo de vinte minutos. Após a palavra ‘Resist’ ser exibida em vermelho no telão, críticas a diversas personagens da atualidade foram exibidas. A primeira deles, dirigida a Mark Zuckerberg, empresário proprietário do Facebook. Já na pista premium, vários presentes clamavam algumas manifestações contra o PT. Logo depois, a frase ‘Resist Neo-Fascism’ (“resista ao neofascismo”) foi exibida trazendo uma lista de países que podem sofrer com o movimento.

O público se dividiu entre vaias a Roger Waters e gritos de “Ele Não.” O show retornou com uma fábrica saindo do telão e tomando forma. Altas chaminés saíram de trás da estrutura e o músico seguiu com Dogs, e suas críticas a Trump, e Pigs. Um porco inflável gigante trazendo frases como “As crianças não tem culpa” e “Respeitem as mulheres”, circulou pela plateia.

Vale lembrar que a vida de Roger Waters foi marcada por guerras e regimes autoritários: seu avô, Gorge Henry Waters, morreu em 1916 na Primeira Guerra Mundial enquanto seu pai, Eric Fletcher, foi vítima da II Guerra Mundial, falecendo em 1944.

Depois de São Paulo, Roger Waters levará a sua turnê “Us + Them” para seis cidades brasileiras: Brasília (dia 13), Salvador (17), Belo Horizonte (21), Rio de Janeiro (24), Curitiba (27) e Porto Alegre (dia 30).