Sambista Mauro Diniz é diagnosticado com coronavírus e internado no CTI

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na última segunda-feira (4), o sambista Mauro Diniz deu entrada no Hospital Rio Mar, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, com sintomas do coronavírus. Após ter feito um breve teste em casa que apontou negativo para o vírus, Mauro fez um novo teste no hospital e foi diagnosticado com o coronavírus. Ele foi internado no CTI (Centro de Tratamento Intensivo) da unidade, onde respira com a ajuda de aparelhos. Segundo Cláudia Diniz, mulher do sambista, Mauro começou apresentar os primeiros sintomas da doença, após ter tomado a vacina da gripe no dia 23 de abril.

“No dia 23 de abril ele acordou com todos os sintomas de resfriado, e como ele tinha tomado a vacina da gripe a gente achou que era reação à vacina. No dia 30 ele fez o teste rápido da Covid e deu negativo. Eu não aconselho esse teste, até os médicos dizem para as pessoas não se ligarem nesse que fura o dedo. No dia primeiro ele continuou se sentindo mal e no dia 4 ele foi internado no CTI. Ele está respirando no oxigênio, mas graças a Deus não precisou ser entubado. Ontem ele apresentou uma melhora e foi transferido do CTI 1 para o 2. Estamos aguardando o laudo dos médicos de hoje. Estamos todos em oração e crendo”, contou Cláudia Diniz em uma entrevista para a colunista Fábia Oliveira.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

VEJA TAMBÉM: MC Gui é acusado de maltratar outra criança com câncer

Cláudia
também pontuou que embora Mauro Diniz ainda tivesse com pouca falta de ar em
casa, ele chegou ao hospital com os pulmões muito
comprometidos. “Fiquei muito abalada com isso. A mídia diz para
procurar o hospital se tiver sentindo falta de ar. Mas o Mauro não
tava sentindo falta de ar como falam. Ele estava com muita tosse por causa
da secreção no pulmão. E quando terminava de tossir, por fazer muita força na
tosse, ele sentia uma pequena falta de ar. Mas quando a tosse passava e eu
fazia um exercício com ele, a respiração voltava ao normal. Quando ele
chegou ao hospital já estava com 50% dos dois pulmões comprometidos, e se ele
tivesse aguardado a falta de ar vir forte como deve acontecer para ir ao
hospital, ele tinha ido a óbito antes mesmo de chegar ao hospital”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio