A dupla Sandy e Júnior (FOTO: Reprodução)

Nesta sexta-feira (10), a Globoplay lança a websérie documental de Sandy & Junior e os fãs estão aguardando com grande ansiedade esse momento. Divulgando a série, os irmãos relembraram um pouco do passado e falaram sobre qual foi o maior desafio da carreira deles até hoje. Para Sandy, foi lidar com a fama.

“O maior desafio foi, sem dúvida, crescer diante de tantos olhares, de um público tão grande, de tanta curiosidade e especulações. Crescer já não é fácil por si só; sair da infância pra adolescência, da adolescência pra fase adulta. Então, crescer diante de tanta gente e com tantas expectativas, isso torna o desafio ainda maior, mais difícil de atravessar e lidar”, disse a cantora.

Esse assunto é abordado no trailer da série, que foi divulgado na quarta-feira (08). No vídeo, os artistas falam sobre as especulações, boatos e pressões que tiveram que lidar no decorrer dos anos. Sandy, nomeada como a virgem do Brasil, e Junior, com fofocas constantes acerca de sua sexualidade. Em resposta, Junior disse que o maior desafio foi “manter a cabeça no lugar” com as diversas informações aos quais se depararam.

VEJA TAMBÉM: Vídeos sensuais de Anitta são publicados em site pornô

“Acho que o maior desafio foi manter a cabeça no lugar, os pés no chão. Não tinha como a gente se perceber normal, porque não era o que acontecia. Não pirar com tudo isso e com o fato de ter uma vida com tantas conquistas. Meu maior exercício sempre foi tentar colocar o pé no chão e entender o que era real ou não”, disse o artista.

Mesmo com tantos anos de carreiras e com tantas histórias pra contar, Sandy e Junior afirmam que não mudariam nada na trajetória deles. “Eu consigo olhar certas coisas e pensar que hoje eu decidiria e faria diferente; teria outra opinião, talvez. Mas, ao mesmo tempo, foram todas estas decisões e todos estes acontecimentos que traçaram a minha trajetória e construíram a artista e pessoa que eu sou hoje”, afirma Sandy.

Junior relata que tudo que eles viveram foi necessário para formar quem eles são. “Não mudaria nada, porque tudo isso contribuiu para construção da nossa história. Claro, se eu pudesse conversar comigo mesmo, para me dar conselhos em cada fase, eu me ajudaria e tornaria tudo mais fácil na percepção. Mas é uma viagem tão maluca que não dá nem para pensar nisso”.