Sia
A cantora australiana Sia (FOTO: Reprodução)

Em artigo postado no InStyle, Sia falou sobre a adoção de filhos adolescentes – algo que, infelizmente, não é comum.

“Eu quis ser mãe durante toda a minha vida. Por anos, eu estava basicamente andando com minhas pernas abertas, tipo, “Me engravide!” [risos] Mas nunca engravidei em nenhum dos meus relacionamentos, mesmo quando não estava exatamente praticando sexo seguro. Eu só pensei que não era a vontade de Deus para mim”, disse.

E continuou: “Quando me casei [com o cineasta Erik Anders Lang em 2014], fizemos muita fertilização in vitro, mas ainda tinha infertilidade inexplicada. Eventualmente, recebemos embriões, mas nos divorciamos, então não fui capaz de usá-los”.

VEJA TAMBÉM: Em oposição a Donald Trump, Demi Lovato lança nova música; ouça!

Sia ainda contou como teve a decisão de adotar: “Eu estava assistindo a um documentário sobre o sistema de adoção. Eu aprendi a história de um garoto de 16 anos e imediatamente me apaixonei por ele. Crianças mais velhas têm muita dificuldade para serem adotadas e, quando o vi, disse a mim mesma: ‘Esse é meu filho'”.

“Quando o encontrei, ele tinha 18 anos e estava envelhecendo no sistema de adoção. Eu disse a ele que queria adotá-lo e, como ele era adulto, ele foi embora comigo naquele dia. A única coisa que ele perguntou foi se poderia trazer também seu primo, Che. Eu tinha dois quartos extras, então disse: “Claro!” E embora eu nunca tivesse conhecido Che antes, ele também foi morar comigo naquela noite”.

E revelou: “Mais tarde, descobri que eles não eram primos de verdade, apenas amigos. [risos] Mas eu não me importei nada. Eu me senti tão abençoado por ter os dois comigo. E eu percebi no ano passado que Che deveria ser meu filho também”.

Sia e Che (FOTO: Cortesia de Sia para a InStyle/Reprodução)

Ela contou sobre a experiência de jantar pela primeira vez com eles: “Sentados à mesa, meus filhos disseram: “Temos permissão para usar facas aqui?” Em um orfanato, eles não tinham permissão para usar uma faca de metal para comer por anos”.

Sobre dinheiro, a cantora contou: “Eu poderia ter sido o tipo de mãe que disse: “Eu sou uma estrela pop rica. Vocês podem ganhar cem mil por ano pelo resto da vida ”, e então não dar a eles nenhuma atenção. Mas esse não é o tipo de pessoa que sou. Na verdade, eu só lhes dou uma mesada para compras”.

“Quando eu os adotei, comprei tudo no mundo para eles. [risos] Mas o mais importante, eu queria passar muito tempo com eles para ajudar a reverter o condicionamento com o qual cresceram e guiá-los em direção a uma vida significativa da qual eles nunca tenham que se envergonhar”.

Sia
(FOTO: Reprodução)

“Este ano foi difícil para todos nós, eu acho. E durante os protestos e agitação racial, eu realmente tenho ouvido meus filhos. Eu basicamente entreguei minhas plataformas de mídia social a eles porque, até os conhecer, eu só tinha uma noção de racismo sistêmico”.

E continuou: “Eu sinto que meus olhos foram realmente abertos agora, graças aos meus meninos. Então, em vez de apenas nos sentirmos impotentes sobre o que está acontecendo no mundo, estamos tentando agir juntos e compartilhar informações e experiências que irão, esperançosamente, ajudar outras pessoas”.

Sobre a quarentena, a artista revelou que Che está morando com ela e eles estão cumprindo o distanciamento social: “Nós nos relacionamos muito durante esse tempo e temos muitas idiossincrasias em comum. Somos ambos hiper-vigilantes, pensamos rápido e amamos cães – temos muitos deles agora. Assistimos filmes e TV juntos e, como meus filhos adoram ouvir música, também fazemos muito isso”.

E ainda finalizou, dizendo: “A verdade é que ser mãe mudou-me em todos os sentidos. Eu aprendi a ser paciente e compassivo. Eu aprendi como estabelecer limites fortes. Aprendi que, como mãe solteira, preciso de um ótimo sistema de apoio para que possa fazer perguntas sobre o que é normal e o que não é”

“Aprendi o que significa amar incondicionalmente outra pessoa. Mas a coisa mais importante que aprendi é que só porque meus filhos não saíram de mim 19 anos atrás, não significa que eles não são meus filhos”.