Skank celebra 30 anos de carreira: “A música sempre tem que ser maior que o artista”

Publicado em 29/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Formado em 1991 na capital do Estado de Minas Gerais, muito provavelmente você já se deparou com algum hit do Skank, banda formada por Samuel Rosa, Haroldo Ferretti, Lelo Zanetti e Henrique Portugal. Detentores de diversos sucessos, a banda mineira marcou gerações com canções de diversos gêneros, inovando suas fórmulas musicais a cada lançamento. Para comemorar o recente aniversário de 30 anos, Samuel Rosa e Haroldo Ferretti celebram o legado da banda no mais recente episódio do podcast “Essenciais”, podcast exclusivo da Deezer que traz bate-papos com artistas nacionais que fizeram história no cenário musical do Brasil.

Conduzida pelo jornalista Zeca Camargo, a entrevista já se inicia com uma curiosidade sobre o baterista, Haroldo Ferretti, que teve seu interesse pela música impulsionado pelo fagote* quando criança. “Eu escutei em uma apresentação de escola quando eu era criança, mas eu logo desisti. Depois, na adolescência, no início dos anos 80, eu tinha uma turma de amigos que tinham instrumentos, e então resolvemos montar uma banda. Foi então que veio meu interesse pela bateria”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

VEJA TAMBÉM: Parceiro de Luan Santana, funkeiro Don Juan já teve nude vazada e beijou sertaneja

Já para Samuel, seus interesses pela música foram aflorados pelos seus pais que, desde pequeno, o incentivaram a tocar violão e o apresentaram às suas primeiras referências musicais. “Meus pais tinham um gosto musical que eu considero muito bom. Desde cedo eu me via com discos dos Beatles, Chico, Gil e Caetano, e na adolescência comecei a tocar violão. Meu sonho era ter uma banda, então meu diálogo com o violão começou já sabendo que seria por pouco tempo, porque meu objetivo era uma guitarra”, comenta o vocalista.

O encontro dos dois aconteceu na escola, durante uma festa junina. Samuel e Haroldo faziam parte de bandas de colégio que agitavam o cenário musical de Belo Horizonte nos anos 80. O primeiro com a banda Pouso Alto, anteriormente conhecida como The Wafers, que tinha influências vindas do Rock Progressivo e da música mineira, enquanto Ferretti tocava na banda Circuito Fechado, que possuía referências voltadas à nomes que eram da atualidade, como Os Paralamas do Sucesso ou Legião Urbana.

A partir desse encontro o Skank já começava a se formar e o resultado não poderia ser diferente: nascia uma das maiores bandas nacionais. Zeca Camargo também passa pelos hits e álbuns da banda durante o bate-papo e traz diversas curiosidades. Começando por “É uma partida de futebol”, sucesso da banda do álbum de 1996, “Samba Poconé”, e parceria com o cantor Nando Reis, Samuel e Haroldo ressaltam sua paixão pelo esporte e lembram também da ansiedade para vencer o “Rock Gol” da MTV. “A gente usava camisa de futebol nos shows, falava de futebol o tempo todo, a pressão para a gente ganhar o Rock Gol era a mesma do Pelé ganhar a copa de 70”, brinca Samuel.

Além desse, os músicos comentam sobre outros hits como “Te Ver”, “Dois Rios”, “Resposta”, “Garota Nacional”, “Vou Deixar”, entre outros que consagraram a banda como um dos maiores nomes da música brasileira nesses 30 anos de história.

Durante a entrevista, Samuel afirma gostar de avaliar a banda a cada três álbuns: “O primeiro disco, “Skank” (1992), é uma banda ainda “verde”, de calouros, e que amadurece no “Calango” (1994) e depois é transgressora no “Samba Poconé” (1996). Da mesma forma eu vejo a tríade de “Maquinarama” (2000), que passou pela maturidade no “Cosmotron” (2003), e que depois é uma banda que entrega no exagero e devaneios em “Carrossel” (2006).

Sobre o sucesso, ambos os cantores afirmam não ter esperado o reconhecimento obtido, mas que sentem que veio de forma natural. “Temos história para contar. Esse é nosso patrimônio, assim como a conexão que a banda continua tendo pra muita gente depois de 30 anos”, conta Samuel, que afirma se surpreender ao ver o número de ouvintes da banda nas plataformas digitais e conclui: “A música sempre tem que ser maior que o artista. Se o artista for maior que a música, algo está errado”.

Para saber mais histórias sobre as músicas e sobre a trajetória da banda, é só clicar aqui e dar o play no novo episódio do Essenciais, projeto original e exclusivo da Deezer. Daí é só relembrar os hits do Skank. Será que você conhece todos?

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio