Michael Jackson
O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Reprodução_

As supostas vítimas que acusaram Michael Jackson de abuso sexual voltarão aos tribunais no próximo mês para tomar medidas contra empresas ligadas ao falecido astro. Wade Robson, de 37 anos, e James Safechuck, 42 ​​- que apareceram no documentário Leaving Neverland no ano passado – supostamente vão processar a MJJ Productions e a MJJ Ventures.

Tanto Wade quanto James afirmam que foram molestados quando crianças pelo falecido popstar. Segundo o The Sun, os homens querem provar que suas alegações são verdadeiras e revelam que os chefes das empresas de Michael Jackson estavam cientes dos abusos, ou deveriam ter sido.

Os bens de Michael Jackson ainda estão isentos de processos legais. “Finalmente estamos de volta ao tribunal”, disse o advogado das vítimas, Vince Finaldi, segundo a publicação. “Deveríamos ter uma audiência há algumas semanas, mas foi adiada devido ao coronavírus – então temos outra data marcada para junho.

VEJA TAMBÉM: Irmã gêmea? Garota idêntica à Anitta viraliza na web e ganha milhares de seguidores

“Será a primeira audiência no caso. É um novo juiz e será resolvido de uma maneira ou de outra. Estamos nos preparando para um julgamento no final do ano”. Wade e James tentaram processar as empresas em 2013 e 2014. No entanto, o caso foi arquivado em 2017, depois que um juiz afirmou que as vítimas esperaram muito tempo para registrar as acusações.

James Safechuck quando criança ao lado de Michael Jackso (Imagem: Channel 4)

Na época, a lei californiana exigia que os demandantes fizessem suas acusações antes de completarem 26 anos – mas Wade e James já estavam na casa dos trinta. Tal lei mudou no início de 2020, quando entrou em vigor uma nova legislação que permitia às vítimas de abuso sexual processar até os 40 anos de idade.

Tanto Safechuck quanto Robson detalharam uma série de alegações de abuso sexual no documentário de 2019 Leaving Neverland. Os familiares e responsáveis pelo espólio de Michael Jackson e sua família continuam negando as alegações de abuso sexual.