Taylor Swift e Billie Eilish protestam contra Donald Trump em caso de morte violenta

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Billie Eilish e Taylor Swift se manifestaram contra o presidente Donald Trump após alguns tuítes presidenciais envolvendo os protestos em Minneapolis, Minnesota, que aconteceram nesta quinta-feira (28 de maio).

No polêmico caso que causou comoção nacional nos EUA, o cidadão George Floyd foi morto por um policial de Minnesota, Derek Chauvin, após o policial lhe pressionar com o joelho no pescoço. Um vídeo de celular mostra o policial, que é branco, segurando Floyd por alguns minutos enquanto Floyd reclama que não consegue respirar. Floyd morreu pouco tempo depois em um hospital local.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

VEJA TAMBÉM: “Sem sua força não teríamos este sucesso” afirma Janet Jackson sobre o falecido pai

Entre outras imagens de protesto, Billie compartilhou uma captura de tela dos tuítes do Presidente e demonstrou uma reação contundente sobre eles. O presidente norte-americano tuitou a seguinte mensagem.

“Esses bandidos estão desonrando a memória de George Floyd, e não deixarei que isso aconteça. Acabei de falar com o governador Tim Walz e lhe disse que o exército está com ele o tempo todo. Qualquer dificuldade e vamos assumir, mas quando a pilhagem começar, o tiroteio começará. Obrigado!”, expressou o Presidente dos Estados Unidos no Twitter.

A cantora então rebateu as declarações de Donald Trump mostrando incredulidade: “Nosso presidente disse isso. Nosso presidente ”, escreveu Eilish com clara indignação com a atual situação dos EUA. “Você está falando sério? Valentões? Chup *** e engasgue com isso. “

Taylor Swift também se manifestou a respeito e comentou que pretende votar contra Donald Trump nas eleições presidenciais em novembro. A cantora mencionou um tuíte polêmico de Trump, em que ele diz: “Quando os saques começam, o tiroteio começa“, antes de afirmar: “Votaremos pela sua saída em novembro, @realdonaldtrump.”

Os protestos das cantoras vieram à tona depois que o presidente americano sugeriu que a aplicação da lei poderia permitir que autoridades policiais atirar em protestantes indignados com o assassinato de um homem negro pela polícia em Minneapolis.

“Após inflamar a supremacia branca e o racismo durante toda a sua presidência, você tem coragem de fingir superioridade moral antes de ameaçar com a violência?”, tuitou Taylor, que tem 86 milhões de seguidores na rede social.

Confira o violento vídeo do momento da prisão de Floyd.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio