Três homens são presos acusados de colaborar na morte do rapper Mac Miller, ex-namorado de Ariana Grande

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Três homens foram presos durante a investigação da overdose mortal do rapper Mac Miller ocorrida no ano passado. Os suspeitos foram acusados ​​de fornecer as drogas que o mataram, segundo o site Radar Online.

Cameron James Pettit, 28, de West Hollywood; Stephen Andrew Walter, 46, de Westwood; e Ryan Michael Reavis, 36, ex-residente de West Los Angeles que se mudou para Lake Havasu, Arizona no início deste ano, foram indiciados em três acusações.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Todos os três foram anteriormente acusados ​​de crimes relacionados a drogas. As acusações recentes confirmam a alegação de que os medicamentos usados pelo rapper colaboraram diretamente para a morte de Miller.

De acordo com
documentos judiciais obtidos pela Radar, os três acusados ​​deram a Miller as
drogas mortais cerca de dois dias antes de ele sofrer uma overdose fatal em
Studio City em 7 de setembro de 2018.

Mais tarde, o médico legista-legista do condado de Los Angeles determinou que Miller morreu de toxicidade por mistura de drogas envolvendo fentanil, cocaína e álcool.

De acordo com o
indiciamento, na noite de 4 de setembro, Pettit concordou em fornecer a Miller
10 “blues” – um termo de rua para comprimidos de oxicodona -, além de
cocaína e o sedativo Xanax.

Mas, em vez de fornecer a Miller oxicodona genuína quando ele fez a entrega nas primeiras horas da manhã de 5 de setembro, Pettit supostamente vendeu pílulas de oxicodona falsificadas que continham fentanil – um poderoso opioide sintético 50 vezes mais potente que a heroína.

Os investigadores acreditam que Miller morreu após usar as pílulas falsas de oxicodona. “Tornou-se cada vez mais comum ver traficantes vendendo produtos farmacêuticos falsificados feitos com fentanil. Como conseqüência, o fentanil é agora a principal causa de mortes por overdose nos Estados Unidos”, disse o procurador dos Estados Unidos Nick Hanna. “Esses acusados ​​continuaram a vender narcóticos após a morte de (Miller) com pleno conhecimento dos riscos que seus produtos representavam para a vida humana. Continuaremos a combater agressivamente os traficantes de drogas responsáveis ​​pela disseminação desse produto químico perigoso”.

Os acusados enfrentarão uma sentença mínima obrigatória de 20 anos na prisão federal com a possibilidade de prisão sem liberdade condicional, se condenados por qualquer uma das acusações relacionadas à morte de Miller.

ARIANA GRANDE

Como os leitores do
Radar sabem, sua ex-namorada, a cantora Ariana Grande, foi duramente atingida
pela morte do rapper.

Grande postou uma
mensagem no Instagram sobre Miller, dizendo que ela estava arrasada e com raiva
por ele não ser capaz de superar seus demônios.

Nas semanas após a morte de Miller, um concerto em homenagem foi realizado em Los Angeles. Sua voz apareceu em várias faixas póstumas este ano, incluindo “Time” do The Free National com Kali Uchis e “That’s Life” com Sia e 88-Keys.

Quando Mac Miller morreu em setembro do ano passado, sua ex-namorada Ariana Grande estava separada do rapper há poucos meses. Logo depois da morte, a cantora estava noiva do comediante Pete Davidson e acabou entrando numa delicada espiral de emoções que acabou colocando fim em seu relacionamento com o humorista.

Em março, a cantora deu o pontapé inicial em sua nova turnê e na estreia do evento fez uma homenagem ao ex-namorado. Ariana também chegou a afirmar para alguns dos fãs, durante a passagem de som do evento, que não iria cantar as faixas “ghostin” e “imagine” nos shows, justamente pelas mensagens mais emocionais das letras dedicadas à Mac Miller e porque isto poderia ser “muito pesado” para ela.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio