vanessa da mata
A cantora mato-grossense Vanessa da Mata (FOTO: Reprodução)

O que é um hit? Com certeza, uma canção que não sai da sua cabeça durante horas, quiçá um dia inteiro. Perseguir essa ideia, cumprir essa ideia é o sonho de todo cantor e compositor mas a deusa música só concede esse encanto a poucos. Vanessa da Mata é uma artista contemplada com essa luz. No rádio, nas pistas, na plateia, suas canções são entoadas como verdadeiros hinos do pop brasileiro.

Abençoada inicialmente por Chico César e Maria Bethânia, Vanessa continua fazendo a ponte perfeita entre regionalismo, vida urbana e mais do que nunca o amor.

VEJA TAMBÉM: Tiago Iorc faz cover de Billie Eilish em Acústico MTV

“Quando Deixamos Nossos Beijos na Esquina”, seu sétimo álbum de estúdio, prossegue seus achados poéticos e melodias intuitivas. Sim, porque as canções de Vanessa da Mata não nascem no violão ou piano, não acontecem no estúdio. Elas surgem em sua mente pelos cafés do mundo, seu lugar preferido para rascunhar letras, inventar harmonias.

Ouça abaixo:

O primeiro single lançado, a ensolarada “Só Você e Eu”, já dava o tom do que o disco seria por inteiro: um apanhado de histórias sobre a vida e o amor. Vanessa é uma poeta artesã dedicada a esses assuntos. É um deleite como ouvinte extrair frases isoladas de suas canções e enviá-las compulsivamente aos nossos amados e amadas. São verdadeiros minutos de sabedoria que nos levam a namorar, casar, prosseguir ou tristemente terminar.

A participação de Baco Exú do Blues com seu canto incisivo na malemolente e africana “Tenha Dó de Mim” anuncia o clima de festa que também invade o álbum. Assim como “Debaixo da Saia Dela” que tem na guitarra de Davi Moraes o motivo para lembrarmos dos deliciosos sambas de Riachão. Vanessa constrói uma letra vigorosa sobre a paixão (“Os olhos compridos esperando a moça / Corpo desossado, a roupa torta / Esperando a moça virar a esquina / Paralisado, comida de mosquito”).