vintage culture
O DJ e produtor sul mato-grossense VIntage Culture (FOTO: Reprodução)

Um dos maiores e mais respeitados nomes do cenário eletrônico nacional, Vintage Culture coleciona apresentações memoráveis ao redor do país e do mundo como o Lollapalooza, Burning Man, Rock in Rio e Tomorrowland, irá agora subir ao palco do Garota VIP em São Paulo.

Dominado pelo ritmo do sertanejo, o festival este ano trará Wesley Safadão, Zé Neto e Cristiano, Dilsinho e Saia Rodada. Quando questionado sobre a mistura dos ritmos da viola e o beat eletrônico, Vintage garantiu que o entretenimento é maior do que qualquer estilo musical. Em entrevista ao site, o DJ falou um pouco sobre o convite. Confira:

VEJA TAMBÉM: MC Gui é acusado de maltratar outra criança com câncer

– Como é que você consegue agradar um publico de maioria sertanejo num festival como o Garota VIP? Essa mistura dá certo?

Vintage Culture – “Acho que hoje o público procura não só o estilo musical, mas também o entretenimento. E isso nos dá liberdade para mudança de estilos, tipos de apresentações e transformar o evento em vários momentos e shows diferentes ao mesmo tempo. Quem vai ao festival busca o mesmo resultado de entretenimento e se divertir”.

– Qual é a diferença na hora de separar os hits para um festival como o Garota Vip e o Rock in Rio, por exemplo?

Vintage Culture – “São dois eventos com trajetórias completamente diferentes, o Rock in Rio tem um palco dedicado apenas a música eletrônica, mesmo sendo um festival eclético, hoje. Não gosto muito de separar as tracks antes, sabe. O interessante é sentir a pista e tocar o que vai fazer o público feliz e dançar!”

Recentemente, o DJ e produtor lançou seu single In The Dark, além de ter revelado para a Rolling Stone que teve experiências com drogas e ataques de pânico.

Eu já usei droga. E pega numa tour de fim de ano, em que você toca muitos dias seguidos, e o cansaço vem. Depois do Carnaval, quando eu toquei 12 vezes em cinco dias, veio aquele vazio. E foi então que tive ataques de pânico, foram quatro ataques de pânico em um mês. Fui parar no hospital, achava que ia morrer“, revelou o músico.