Pearl Jam (Reprodução: Internet)

Chris Cornell faleceu em 2017 e ainda deixa os fãs e amigos com saudades. Eddie Vedder, vocalista do Pearl Jam, revelou alguns segredos envolvendo a morte do cantor.

Eu tive que ficar meio que em negação. Eu nem sequer sinto que tive escolha. Eu só fiquei aterrorizado em relação a onde eu iria se eu me permitisse sentir o que eu precisava sentir ou o que eu estava instintivamente querendo sentir ou quão sombrio eu senti que eu iria me tornar“, disse.

E continuou: “E pelo motivo de eu não tê-lo visto tão frequentemente nos últimos 10 anos — talvez só, tipo, quatro ou cinco vezes, e em geral em um show ou algo assim — eu ainda meio que não superei. Eu vou ficar mais forte com o tempo“.

VEJA TAMBÉM: Esposa de John Legend faz tatuagem em homenagem a filho que morreu

Nós éramos próximos. E não era só porque nós fazíamos música. Nós éramos vizinhos. Eu ficava de rolê com ele fora da banda mais até do que os outros caras da banda, e eu não conhecia tantas pessoas assim em Seattle“, revelou.

E acrescentou: “Nós íamos em aventuras loucas de escalada, ou íamos andar de bicicleta nas montanhas, ou íamos caçar o cachorro na rua enquanto bebíamos cervejas ruins — e era legal“.

O vocalista do Pearl Jam ainda contou: “Não tinha nada a ver com nada tipo estar perto de outras pessoas da música ou estar perto de uma espécie de vida de Los Angeles. Era só legal. Tipo, uau, isso é entre aspas um rockstar, isso é o que ele está fazendo — ele está caçando um cachorro na chuva com seu amigo no sábado à noite com um engradado de [cerveja barata] Schmidt“.