Zélia Duncan lamenta morte do pai e se despede: “Leva meu amor”

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na última segunda-feira (07), Zélia Duncan fez uma linda homenagem para seu pai, Antônio Moreira, que veio a falecer. Ainda não se sabe a causa da morte.

A gente sabe q esse dia vai chegar, o dia de perder. Mas vamos indo, como se nada pudesse nos acontecer. Mas perdemos pessoas. Ontem perdi meu pai. Ainda ouço sua voz dizendo meu nome, chego a olhar p porta, mesmo sabendo q nunca esteve aqui nessa casa.“, começou ela.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

VEJA TAMBÉM: Ferrugem faz show com aglomeração na pandemia e é detonado: “Deprimente”

Meu pai era mto querido dos amigos e conhecidos. Um cara simpáticão, risonho, gostava de contar uns “causos” e pra n perder a plateia , fazia arranjos mirabolantes, q qdo difíceis de comprovar, se safava com, “é o q dizem, n sei”, ou, “lí numa pesquisa”. E ele lia muitos livros, pesquisas, já n sei. Meu pai tinha uma bela e afinada voz. Amava livros. Escrevia e amava citações. Baiano de Anguera/Feira de Santana. Eu sempre tive reclamações dele e mtas razões. Mas nesses meses sem dias, desse ano sem calendário nem horas, comecei uma reconstrução das minhas palavras pra ele. Obrigada Cris!“.

Ele n sabia construir pontes, mas era um andarilho. Ele n sabia conversar assuntos necessários pra nós, mas cantava. Ele nunca perguntava se eu estava bem, mas no último vídeo me oferece caldo de cana, sem saber q eu amo garapa. Guardo a cena doce. Meu pai nunca agiu em momentos frágeis pra mim, mas me deu sangue nordestino, pra fortalecer as veias. Meu pai n cantava minhas músicas, mas esteve em mtas plateias e comprava meus discos em pequenas lojas. No começo n qria q eu cantasse, mas levou nas mãos o álbum Eu Me Transformo Em Outras. Q a música faça as pontes q n conseguimos construir juntos aqui, papai.

Q sua alegria esteja nas esquinas onde passou, no afeto q cultivou sem saber. Obrigada por estar naquela estreia chique em SP e ter se atracado com a manga do camarim. Ela estava inteira, mas não te intimidou. Essa é a herança q me interessa e comove. Ser quem sou em qq lugar. Tds queriam foto comigo e vc, qdo viu a grande cantora Célia, cruzou a sala e pediu q eu tirasse uma foto sua c ela. Obrigada por isso, pai, ela era mesmo a maior ali presente! E por fim, graças a Cris, hj eu sei q vc era msm próximo do Cauby e q ele gostava de vc. Entre lágrimas q embaçam o teclado, um sorriso. Vc e Cauby conversando. Ele gentil, te ouvindo c interesse e vc, o baiano gente fina, cheio de graça e repertório, ganhando sua atenção.

Vai na paz, Moreira, o legado de pessoas que te querem bem é grande! E leva meu amor.“, finalizou Zélia Duncan.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio