Rolling Stones
A lendária banda britânica The Rolling Stones (FOTO: Reprodução)

Poucas parcerias para escrever podem se orgulhar de um relacionamento de 50 anos. Na verdade, poucas parcerias, em geral, duraram tanto quanto a relação entre o cantor dos Rolling Stones, Mick Jagger, e o guitarrista Keith Richards. O tempo que passaram juntos em uma das maiores bandas que o mundo já viu pode estar bem documentado, mas o cantor e guitarrista, que juntos escreveram algumas das canções mais antigas dos Stones, são amigos há muito mais tempo do que você pode imaginar.

Vale a pena lembrar o momento em que dois artistas se encontram para formar algo especial e, para Jagger e Richards, é uma história tirada diretamente de um com-rom de Richard Curtis. Não envolve apenas um encontro casual, mas um reconhecimento de suas vidas anteriores juntos. É realmente como o início de um caso de amor e, se você for honesto, é disso que Jagger e Richards sempre fizeram parte.

CASO DE AMOR E ÓDIO: KEITH RICHARDS X MICK JAGGER - Rádio Comunitária 87 FM  de Guaxupé
(FOTO: Reprodução)

LEIA TAMBÉM: Compositor critica arrogância de Gusttavo Lima após ficar milionário com hit do cantor

Os Glimmer Twins, ao se tornarem carinhosamente conhecidos por seu estilo star-spangled, Mick Jagger e Keith Richards eram uma força de composição a ser reconhecida. Embora nem sempre equipados com a sutileza de alguns compositores, o que faltava em elogios percebidos da intelligentsia eles compensavam em rock and roll acelerado, balançando o quadril e começando a festa. Tornou-se a maior conquista dos Rolling Stones – eles podiam fazer qualquer um dançar.

Na verdade, não perdemos tempo com os triunfos da dupla nos Rolling Stones, é provável que você não apenas conheça todos, mas os tenha empilhados em sua prateleira de vinil. Em vez disso, estamos fazendo uma viagem de volta aos anos 1940 da Inglaterra cinzenta e aos arredores de Londres, onde duas crianças se tornariam amigas e, com o tempo, lendas. O fato de Jagger se lembrar disso, e os tempos que cercaram sua conexão, fornecem uma leitura atraente.

Keith Richards se desculpa por sugerir vasectomia de Mick Jagger | VEJA
(FOTO: Reprodução)

Uma entrevista de 1995 com a Rolling Stone deu ao protagonista do homônimo da publicação a chance de realmente se abrir. Apesar de nunca ter sido fã de relembrar o passado, saber como dois gigantes do rock se conheceram é sempre uma tentação irresistível demais para ser rejeitada. Começa com o tipo de coisa que seus avós dizem sobre cada um, “Não me lembro quando não o conhecia“, o que puxa o seu coração.

Morávamos a uma rua de distância; a mãe dele conhecia minha mãe, e estudamos juntos na escola primária dos 7 aos 11 anos”, continuou Jagger. “Costumávamos brincar juntos e não éramos os amigos mais próximos, mas éramos amigos.”

Não foi tão simples assim, “Keith e eu fomos para escolas diferentes quando tínhamos 11 anos, mas ele foi para uma escola que era muito perto de onde eu morava“, explicou ele, acrescentando: “Mas eu sempre sabia onde ele morava, porque minha mãe nunca perderia contato com ninguém, e ela sabia para onde eles se mudaram. Eu costumava vê-lo voltando da escola, que ficava a menos de um quilômetro de distância de onde eu morava.” Parece que as coisas eram mais simples naquela época.

Filhos de Jagger cresceram vendo Keith Richards passar mal por causa de  drogas, diz ex-esposa - Monet | Música
(FOTO: Reprodução)

Amigos de infância podem ser uma coisa, mas pular para serem companheiros de banda é uma coisa totalmente diferente e não um salto dado sem a prova de que as ideias duplas seriam respeitadas. Jagger também compartilhou como eles passaram de companheiros para companheiros de banda também. “Esta é uma história verdadeira – nos conhecemos na estação de trem. E eu tinha esses discos de rhythm & blues, que eram muito valiosos porque não estavam disponíveis na Inglaterra naquela época. E ele disse: ‘Ah, sim, são realmente interessantes’. Esse tipo de coisa funcionou. Foi assim que tudo começou, realmente.” Um amor compartilhado pela música que irradiaria ao longo de suas carreiras.

Começamos a ir à casa um do outro e tocar esses discos”, continuou o cantor de ‘Brown Sugar’. “E então começamos a ir para a casa de outras pessoas para tocar outros discos. Você sabe, é o momento da sua vida em que você está quase colecionando essas coisas. Não consigo lembrar como tudo isso funcionou. O Keith sempre tocou violão, desde os 5 anos de idade. E gostava de country, cowboys. Mas obviamente, em algum momento, Keith, ele tinha essa guitarra com um captador de guitarra elétrica. E ele tocou para mim. Então eu disse: ‘Bem, eu canto, sabe? E você toca violão. ‘Coisas muito óbvias.”

Pode ter sido óbvio para eles, mas a combinação do amor inato de Richards pela guitarra e a crença em seu poder de unir as pessoas só seria acentuada pelo estilo expressivo e único de showmanship de Jagger. “Eu costumava fazer shows nas noites de sábado com todos esses pequenos grupos diferentes. Se eu pudesse conseguir um show, eu o faria.”

Acrescentando: “Eu costumava fazer coisas malucas – você sabe, eu costumava ir e fazer esses shows e ficar de joelhos e rolar no chão – quando eu tinha 15,16 anos. E meus pais desaprovavam tudo isso. Porque simplesmente não foi feito. Isso era para pessoas de classe muito baixa. Cantores de rock & roll não eram pessoas educadas.”

Mal sabiam eles que Jagger estaria fazendo sua própria educação das massas nas décadas seguintes e, forjando um novo caminho para a música alternativa com seu amigo próximo ao lado dele.