O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Matthew Rolston)

Michael Jackson esteve na vanguarda da inovação na indústria da música por décadas – mas quantos anos o astro pop tinha quando morreu?

Considerado o ‘Rei do Pop’, ele foi um dos artistas musicais mais vendidos de todos os tempos, vendendo mais de 350 milhões de discos. Durante sua vida, ele ganhou 13 prêmios Grammy, seis Brit Awards, um Globo de Ouro e 39 Guinness World Records. Ele também foi a celebridade mais rica desde sua morte, mostrando como sua influência é incrivelmente duradoura.

Michael Jackson morreu em 25 de junho de 2009, com apenas 50 anos. Seu aniversário é 29 de agosto, o que significa que faltou apenas um mês para completar 51 anos.

A causa oficial da morte foi citada como intoxicação aguda por propofol e benzodiazepina. No momento de sua morte, Michael Jackson estava se preparando para se apresentar no Staples Center em Los Angeles e compareceu a um ensaio na noite anterior à sua morte.

Na manhã seguinte, porém, ele foi encontrado sem respirar em seu quarto. Seu médico, Conrad Murray, disse que ele começou a RCP na estrela antes de gritar com um chef por mais ajuda, alegando que não podia ligar para os serviços de emergência em seu telefone porque não sabia o endereço do hotel.

Eventualmente, a chamada para os serviços de emergência chegou às 12h21, conforme foi confirmado por um porta-voz do Corpo de Bombeiros de LA, após o que os paramédicos alcançaram o cantor às 12h26 para descobrir que ele ainda não estava respirando.

VEJA TAMBÉM: Assim como Billie Eilish, veja 10 cantoras que chocaram ao mostrar seus “corpos reais”

Os paramédicos realizaram a RCP por mais de 40 minutos antes de levar Michael na ambulância para o hospital. Ele chegou ao hospital às 13h14 e os médicos tentaram ressuscitá-lo por mais de uma hora antes de sua morte às 14h26.

Várias autópsias foram realizadas após sua morte, nenhuma delas sugerindo crime, no entanto, a família Michael Jackson exigiu mais investigações. A polêmica em torno de sua morte veio em agosto daquele ano, quando o relatório oficial do legista de Los Angeles considerou sua morte um homicídio.

Conrad Murray
(FOTO: Reprodução)

Eventualmente, seu médico, Conrad Murray, foi julgado por homicídio involuntário, por administração de drogas ao cantor na noite anterior à sua morte, e ele foi acusado em 8 de fevereiro de 2010.

Testemunhos no julgamento sugeriram que o propofol, em conjunto com outras drogas no sistema da estrela, desempenhou um papel fundamental em sua morte. Em 2011, o júri considerou o ex-médico culpado e ele foi condenado a quatro anos de prisão, mas foi libertado após dois anos em 28 de outubro de 2013 por bom comportamento.

Sua licença para praticar medicina e administrar sedativos pesados ​​foi revogada e assim permanece até hoje. Michael deixou todo o seu dinheiro para instituições de caridade infantis, sua mãe Katherine e seus três filhos: Prince, Paris e Blanket.