victor e leo
A dupla sertaneja Victor & Leo (FOTO: Reprodução)

O músico Victor Chaves, que fazia dupla com o irmão Léo, falou sobre sua vida três anos depois de ser acusado de agredir a ex-mulher, Poliana Bagatini, quando ela estava esperando bebê. Naquela época, vídeos da câmera de segurança mostraram Poliana no chão enquanto uma discussão acontecia junto com a irmã do cantor.

“Seis dias depois do episódio quase tirei minha vida”, afirmou Victor Chaves numa entrevista cedida à Eliane Trindade, da Folha de S.Paulo. O artista que chegou a ser condenado a 18 dias de prisão afirma que é inocente e que atualmente mantém um relacionamento amistoso com Poliana. Junto da ex-companheira, o casal é pai de Maria Vitória e João Luiz, filho que ela estava esperando na época do entrevero.

Utilizaram os fatos com leituras sensacionalistas. Se não fosse para a mídia e não chegasse aos rigores que chegaram, teria sido um dia de caos que resultaria em separação. Como se trata da mãe dos meus filhos, só posso falar que houve descontrole emocional grande”, afirmou Victor Chaves na entrevista.

De acordo com ele, não houve agressão contra Poliana, somente uma tentativa de contê-la no decorrer duma discussão. “O exame de corpo de delito deu negativo. Não havia marcas de agressão”, explicou. “É triste Poliana dizer no depoimento que eu a joguei no chão. Na TV, aceleram o vídeo. Não dá para ver que estou arqueando o corpo para suavizar a queda dela”.

VEJA TAMBÉM: Gusttavo Lima bebe demais e revela que passa horas “chupando periquita” da esposa

O músico revela que continuou fazendo shows e nega que aconteceu cancelamentos depois do incidente. Victor também relembra a polêmica situação onde ironizou a acusação de agressão num vídeo nas redes sociais. Ele assegura que, mesmo depois do fim da dupla com o irmão, foi o foco na música que lhe fez seguir adiante. “O que me salvou foi a arte. Durante uns sete meses, tomava banho de três em três dias”, revela.

Victor explica que permaneceu 45 dias sem ver a filha e que depois de ver o filho recém-nascido no hospital, passou 4 meses sem vê-lo de novo. Atualmente vivendo em Campinas, o cantor encontra com as crianças a cada quinzena, como decidido judicialmente na separação.

Victor Chaves e Poliana Bagatini (Foto: Reprodução / Instagram)

Suicídio

O suicídio é considerado pelo Ministério da Saúde como um problema de saúde pública, complexo, multifacetado e de múltiplas determinações, que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gênero.

Todos os anos, cerca de 800 mil pessoas morrem por suicídio no mundo, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde). No Brasil, uma pessoa morre por suicídio a cada hora, enquanto outras três tentaram se matar sem sucesso no mesmo período.

O assunto é tão complexo que muitas pessoas evitam falar a respeito, o que nem sempre é a melhor decisão. Um problema dessa magnitude não pode ser negligenciado, pois sabe-se que o suicídio pode ser prevenido. Uma comunicação correta, responsável e ética é uma ferramenta importante para evitar o efeito contágio.

Centro de Valorização da Vida

Uma das entidades que ajuda pessoas com pensamentos tristes e depressivos é o Centro de Valorização da Vida, o CVV. A organização existe há anos graças ao trabalho voluntário de centenas de pessoas. O atendimento é gratuito e pode ser feito por telefone e internet. O telefone que tem cobertura para todo Brasil é 188.